Info

Há alunos com necessidades especiais que perderam apoios com novo regime legal

Há alunos com necessidades especiais que perderam apoios com novo regime legal
| Economia
Porto Canal com Lusa

Das cerca de 20% de escolas do continente ouvidas pela Fenprof num inquérito sobre o novo regime de educação inclusiva muitas criticam a falta de recursos para implementá-lo e algumas afirmam que há alunos que perderam apoios.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) divulga hoje em Lisboa os resultados do inquérito promovido junto de 162 agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas sobre o processo de publicação e implementação nas escolas do novo regime de educação inclusiva, dos quais 158 foram validados, um número que corresponde a 19,5% das escolas do continente.

As respostas revelam que no universo de escolas ouvidas pela federação cerca de 25% dos estabelecimentos dizem ter alunos com "problemáticas mais complexas" que perderam apoios em consequência do novo regime legal. Quase 65% das escolas dizem, no entanto, ter mantido o mesmo nível de apoios e cerca de 5% dizem que foram reforçados os apoios.

Os sindicatos mostraram-se críticos da alteração da lei e no texto que acompanha os resultados do inquérito voltam a colocar dúvidas sobre o diploma entretanto aprovado, ao qual reconhecem "bondosos princípios", mas para o qual dizem não terem sido criadas condições para o concretizar e por entenderem que o articulado legal estabelece disposições que contrariam os objetivos enunciados.

"Os resultados apurados através das respostas das direções das escolas às questões colocadas, confirmam as preocupações da Fenprof em relação a um regime de educação inclusiva que poderá não estar a contribuir para uma inclusão efetiva", lê-se no documento.

Por isto mesmo, a federação deixa propostas ao Governo, entre as quais a de uma primeira revisão do recente regime legal, "no sentido de corrigir aspetos negativos e esclarecer dúvidas que resultam da insuficiência de esclarecimentos por parte do Ministério da Educação".

Recomenda ainda que seja respeitada a autonomia das escolas em questões como a redução de alunos por turma e um reforço de recursos humanos, uma das falhas apontadas pelas escolas que justificaria também que "a aplicação do regime de educação inclusiva ainda não tenha, neste e no próximo ano letivo, qualquer implicação no processo de avaliação externa das escolas", considerando-se esses dois anos como sendo apenas de transição.

A crítica mais consensual entre as escolas que responderam ao inquérito prende-se com a proximidade temporal entre a publicação do novo diploma, em julho, e a sua aplicação nas escolas, em setembro, com 87,3% das escolas a afirmar que "a publicação tardia do diploma dificultou a organização das escolas e a aplicação do novo regime".

Os dados indicam ainda que 69,3% dos estabelecimentos entendem que a aplicação do novo diploma devia ter sido adiada por um ano e mais de metade considera que o manual de apoio publicado pelo Ministério da Educação não responde às dúvidas colocadas pelas escolas.

Bastante consensual é também a ideia de que as escolas não dispõem dos recursos necessários à aplicação deste diploma, com 79,3% das escolas a darem uma resposta nesse sentido.

Os recursos humanos são a falha mais apontada, com quase 65% das escolas ouvidas a afirmar ter falta de assistentes operacionais e de terapeutas. Mais de metade diz não ter docentes especializados em número suficiente e quase 40% refere a falta de psicólogos.

Mais de metade das escolas apontam ainda a falta de recursos materiais.

Metade das escolas afirma ainda não avançar com medidas de apoio sem a aprovação dos pais e encarregados de educação, mas quase 38% das escolas afirma tomar decisões sem o acordo dos pais e encarregados de educação, ficando a posição destes "apenas registada em declaração".

Os relatórios médicos são o instrumento mais utilizado para identificação e referenciação de alunos para apoios (em 76,6% das escolas), mas as grelhas de observação/avaliação e os relatórios das equipas multidisciplinares continuam muito presentes (em cerca de 70% das escolas), o que a Fenprof considera ser positivo.

No que diz respeito à intervenção precoce -- na infância -- mais de metade dos docentes colocados são educadores de infância convidados pelas próprias escolas, 46,2% são professores do grupo de recrutamento de educação especial, com ou sem formação especializada e quase 13% são docentes convidados que não pertencem ao grupo de recrutamento da educação pré-escolar.

O Governo aprovou a 24 de junho, em Conselho de Ministros, um novo regime legal em que defende cooperação e trabalho de equipa na "identificação de medidas de acesso ao currículo e às aprendizagens".

Na altura, o Ministério da Educação reconheceu que Portugal é ainda um país com baixas taxas de inclusão de alunos no sistema educativo, subsistindo nas escolas um número significativo de jovens com necessidades específicas em espaços físicos ou curriculares segregados, "uma constatação" que justificou uma revisão do quadro legal em vigor, por forma a criar condições para "a construção de uma escola progressivamente mais inclusiva".

Por seu lado, o Conselho Nacional de Educação (CNE) revelou, em 11 de maio passado, que via como positivo o projeto de decreto-lei sobre educação inclusiva, que abrange a educação pré-escolar, ensino básico e secundário, mas recomendou um reforço dos recursos humanos nas escolas e turmas mais pequenas.

+ notícias: Economia

Greve dos técnicos de diagnóstico regista adesão acima dos 85%

A greve dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica regista hoje uma adesão de 85% a 90% a nível nacional, chegando aos 100% em alguns serviços, disse à agência Lusa o dirigente sindical Luís Dupont.

Diferença entre ricos e pobres baixa mas Portugal ainda é dos países mais desiguais da UE

A diferença entre os que têm mais e menos rendimentos em Portugal baixou, em 2018, para 5,22 pontos, menos do que os 5,7 registados no ano anterior, sendo ainda assim o sexto país com maior desigualdades na União Europeia (UE).

Governo vai investir 20 milhões de euros nas infraestruturas da PSP da Área Metropolitana do Porto

O Governo vai investir cerca de 20 milhões para a construção e requalificação de infraestruturas da PSP na Área Metropolitana do Porto. Um anúncio feito pelo ministro da administração interna, em Vila do Conde.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.