Info

Utentes queixam-se dos novos horários na Linha do Douro devido às obras Caíde-Marco

| Norte
Porto Canal com Lusa

Utentes da Linha do Douro queixaram-se esta terça-feira dos novos horários implementados pela CP, devido às obras no troço Caíde – Marco de Canaveses, e de consequentes constrangimentos nas viagens para o trabalho e de regresso a casa.

Atualizado 28-11-2018 12:30

Linha do Douro está interrompida desde hoje e durante três meses entre as estações de Caíde e Marco de Canaveses, para proceder a obras de modernização da ferrovia.

Neste primeiro dia de interrupção, alguns utentes queixaram-se dos novos horários implementados pela CP, que alegam ser “incompatíveis e insuficientes”, e dos constrangimentos causados na sua vida profissional.

Pedro Marques trabalha no Porto, apanha o comboio na estação de Mosteirô, em Baião, e disse à agência Lusa que, a partir da próxima semana, passará a fazer a viagem de autocarro, deixando de usar a CP.

“Os horários atuais são impraticáveis e obrigam a um desgaste enorme”, referiu.

Desde maio que Pedro Marques utiliza o comboio para ir trabalhar, possui passe mensal e, agora, queixa-se dos “horários impraticáveis que a CP disponibilizou”.

“Hoje apanhei o comboio das 06:44 ao invés do comboio das 07:22, que deixou de existir. O principal problema será logo”, no regresso a casa, referiu.

Na opinião deste utente, “na prática, quem quiser utilizar esses horários está condenado a sair de casa às 06:00 e chegar a casa às 22:00” e “deixa de ter vida social, já que, para além das oito horas de trabalho, acaba por gastar mais seis horas em viagens”.

Diogo Pinto apanha o comboio também em Mosteirô, mas viaja em sentido contrário, para a Régua, onde trabalha há cinco anos.

“O meu horário de trabalho é das 09:00 às 18:00 e, agora, o primeiro comboio a chegar à Régua é às 10:08 e o último comboio sai às 18:53, e depois já não há mais. E, legalmente, não dá para compensar a hora que perco de manhã”, explicou.

Diogo Pinto disse que a alternativa de fazer a viagem de carro “é impraticável” devido aos “custos com o combustível e desgaste” nas estradas sinuosas do Douro.

O utente disse que, nestes últimos anos de viagens nos comboios, notou uma “degradação do serviço” devido “a supressões, à lotação das carruagens, ao material danificado e a constantes avarias”.

Os utentes falam ainda em informação disponibilizada “muito em cima da hora”.

Em consequência das obras, a CP suprimiu alguns comboios e garantiu transbordo rodoviário entre as estações de Caíde e Marco de Canaveses.

Serão realizados, nos dois sentidos, seis comboios entre Marco de Canaveses e Régua e ainda dois comboios, em ambos os sentidos, entre Régua e Pocinho.

Na semana passada, a CP e os autarcas do Douro acordaram uma “monitorização constante” e ainda “ajustamentos que permitam introduzir melhorias” na oferta planeada para a Linha do Douro durante o período de obras.

A empresa disse ainda que, no troço de Marco de Canaveses ao Pocinho, que ficará isolado da restante rede ferroviária durante o período de três meses em que decorrem as obras, as ligações serão realizadas em comboios formados por locomotiva e carruagens, utilizando material que ao longo dos últimos dois anos já circulou na Linha do Douro, nomeadamente no comboio Miradouro.

Durante uma reunião, na sexta-feira, a CP garantiu ainda aos autarcas que, “após a reabertura da linha, serão repostos a oferta e os horários” que estiveram em vigor até domingo.

Fonte do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas disse hoje que “os condicionamentos e horários da Linha do Douro foram acordados com os municípios em reuniões com a CP” e que “estão a ser implementadas soluções que minimizam o impacto do encerramento temporário da linha”.

“De igual modo, a Infraestruturas de Portugal (IP) debateu com os municípios, assim como com as associações de empresas turísticas do Douro, a obra que está a realizar na Linha do Douro, nomeadamente a necessidade de encerrar o troço Caíde - Marco durante a intervenção, de forma a que todo o processo seja mais rápido e prejudique o menos possível a atividade económica da região”, salientou a fonte.

+ notícias: Norte

Homem morre ao cair de telhado em Vila Nova de Gaia

Um homem morreu na sequência de uma queda de um telhado, neste sábado, no largo do Bôdo, em Serzedo, Vila Nova de Gaia, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.