Dono do terreno de São Pedro da Cova onde estão resíduos garante que deseja retirada

Dono do terreno de São Pedro da Cova onde estão resíduos garante que deseja retirada
| Norte
Porto Canal com Lusa

O proprietário privado de um dos terrenos onde estão depositadas toneladas de resíduos perigosos em São Pedro da Cova, Gondomar, garantiu esta sexta-feira à Lusa que não é titular de nenhuma ação que impeça a retirada anunciada pelo Governo.

"Eu não apresentei nenhuma providência, nem ação, nem queixa em tribunal no sentido de impedir o andamento da retirada. Sou um dos que reivindica a retirada dos resíduos desde há mais de dez anos", disse à agência Lusa José Lopes que, a par do consórcio Terriminas/VilaRei, é proprietário dos terrenos de São Pedro da Cova, concelho de Gondomar, onde toneladas de resíduos foram depositadas em 2001/2002.

Estas declarações acontecem dois dias depois de o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, quarta-feira no Parlamento em resposta a perguntas colocadas pelas deputadas Ângela Moreira (PCP) e Germana Rocha (PSD), ter admitido que a remoção dos resíduos "está parada".

"Não nos podemos esforçar mais do que aquilo que nos esforçamos. Temos o dinheiro para o fazer [referindo-se à retirada dos resíduos], mas Portugal é um Estado de direito e um proprietário daquele terreno apresentou uma queixa junto do tribunal e foi parada a possibilidade de intervenção. Queremos muito fazê-la e não há precedente no Fundo Ambiental em alocar uma verba desta dimensão a um projeto", disse Matos Fernandes.

Na sequência desta afirmação sucederam-se reações locais com a Junta de Freguesia, que diz desconhecer esta situação, a pedir que a tutela considere retirada de resíduos "interesse nacional".

Já a Câmara Municipal reuniu hoje "de urgência" com a CCDR-N, tendo o presidente socialista, no final da reunião, apontado que acredita ser "um equívoco" a ideia de que é uma providência de um proprietário do terreno de São Pedro da Cova, onde estão depositados resíduos perigosos, que está a travar a retirada.

À Lusa, José Lopes, que é dono de cerca de 27.650 metros quadrados dos terrenos, parte esta localizada a sul das piscinas municipais de São Pedro da Cova junto a pavilhões antigos, como descreveu, disse garantiu "não estar a dificultar a retirada" e saber que o outro proprietário "também não colocou nenhuma ação nesse sentido".

"Procurei informar-me e ao que apurei o outro proprietário também não foi para tribunal dizer que não podem lá entrar e retirar os resíduos", disse José Lopes, acrescentando querer "a verdade reposta" até porque teme "interpretações erradas da população"

"Pode, sem querer ou por querer, não sei, passar-se a ideia de que são os donos que não deixam avançar a obra e eu quero que avence. A população tem de saber isso. Esta situação choca-me e preocupa-me", concluiu.

A esta situação acresce o facto de um dos concorrentes candidato à empreitada de retirada de resíduos, que não ganhou, ter colocado uma ação em tribunal para contestar o concurso.

Confrontado com esta situação, em agosto, e numa visita a Rio Tinto, concelho de Gondomar, o ministro Matos Fernandes garantiu que a retirada da totalidade dos resíduos perigosos de São Pedro da Cova "começa imediatamente a seguir à decisão do tribunal".

Na quinta-feira, em resposta a um pedido de ponto de situação pedido pela Lusa no dia anterior, o gabinete de Matos Fernandes respondeu: "Aguarda-se, ainda, a decisão do tribunal para se poder avançar com a retirada dos resíduos industriais perigosos de São Pedro da Cova. Os trabalhos iniciar-se-ão logo a seguir a essa decisão judicial".

A tutela não especificou, no entanto, se a decisão do tribunal que aguarda diz respeito à contestação do concorrente do concurso ou à providência cautelar do proprietário que a Junta de Freguesia diz desconhecer e a Câmara de Gondomar acredita ser "um equívoco".

Em causa está uma situação que remonta a 2001/2002, quando toneladas de resíduos industriais perigosos provenientes da Siderurgia Nacional, que laborou entre 1976 e 1996, na Maia, distrito do Porto, foram depositadas em São Pedro da Cova.

Entre outubro de 2014 e maio de 2015 foram retiradas 105.600 toneladas, mas, entretanto, foi revelado que existem mais resíduos e lançado um concurso, que obteve sete candidatos, com vista à retirada de 125 mil toneladas.

O Ministério do Ambiente, através do Fundo Ambiental, alocou 12 milhões de euros para a remoção total dos resíduos.

A 24 de abril foi anunciado que a obra de remoção arrancava este ano e terminava em 2019.

Quanto à posse do terreno, e consequentemente a possibilidade ou não da retirada avançar, um requerimento remetido pela CCDR-N ao Tribunal de Braga, ao qual a Lusa teve acesso, mostra que esta entidade pediu em julho que fosse declarada utilidade pública, tendo voltado a fazê-lo a 27 de setembro.

+ notícias: Norte

Segunda fase do Corredor Verde do Leça em Matosinhos teve investimento superior a 5 milhões

A segunda fase do Corredor Verde do Leça entre as pontes do Carro e de Moreira, em Matosinhos, numa extensão de seis quilómetros, está concluída e vai ser inaugurada no sábado, anunciou esta sexta-feira a câmara local.

Oliveira de Azeméis. Conferência Anual de Inovação Empresarial reúne indústria para “discutir tendências e desafios” 

A Junta de Freguesia de São Roque avançou, este ano, para a organização da terceira edição da Conferência Anual de Inovação Empresarial (CAIE). A iniciativa, que está agendada para o mês de outubro, no Auditório Ângelo Azevedo, pretende discutir “as tendências e desafios atuais da Indústria, na freguesia de São Roque e no concelho de Oliveira de Azeméis”, sempre de olhos postos no futuro.

Trabalhadores recusam propor empresarialização dos Transportes Urbanos de Coimbra

Os trabalhadores dos Serviços Municipalizados dos Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) recusaram-se a apresentar uma proposta de empresarialização, após desafio lançado pelo conselho de administração, mas estão abertos a discutir, afirmou dirigente sindical.