Explosão em Penacova investigada por PJ e PSP

| País
Porto Canal com Lusa

*** Serviço áudio disponível em www.lusa.pt

Penacova, Coimbra, 04 abr (Lusa) -- As razões da explosão em Penacova que provocou hoje um morto e 24 feridos estão a ser averiguadas pela PJ e pela PSP, disseram a autarquia e comandante operacional distrital de Coimbra.

"Naturalmente, quando acontece um facto destes, é porque alguma coisa correu mal. Neste momento, ainda não conseguimos avaliar [o que aconteceu]. Os peritos estão a fazer essa averiguação para identificar as causas desta tragédia", afirmou o presidente da Câmara de Penacova, Humberto Oliveira, que falava aos jornalistas em Gondemil, aldeia onde decorreu a explosão.

Segundo o autarca, o que "é normal é, depois da missa, decorrer a procissão e, no fim, há uma salva de fogo, com alguma dimensão".

"Aquele fogo estaria preparado para esse momento do pós-procissão", explicou, referindo que as pessoas responsáveis pelo espetáculo de pirotecnia seriam "provavelmente de fora do concelho", já que não conhece ninguém com licença para operar em Penacova.

Sobre se é normal o fogo estar perto da capela onde rebentou, Humberto Oliveira disse desconhecer.

"A verdade é que estava. Temos que avaliar todos as nossas responsabilidades e aquilo que temos que mudar. Em casa roubada, trancas à porta. Temos que ser mais cuidadosos para que estas situações não aconteçam. Não faz sentido acontecerem", frisou o autarca, que é cliente "usual e habitual" da festa de Gondemil, terra natal do seu pai.

Questionado pelos jornalistas, o comandante distrital de Coimbra, Carlos Tavares, confirmou que a PSP e a PJ estão no local "a averiguar a situação", não sabendo dizer se a vítima mortal era a pessoa que estava a manusear o material pirotécnico, o que o vice-presidente da Câmara de Penacova, João Azadinho, tinha já assumido.

Dos 24 feridos registados, dois estão em estado crítico e três em estado grave. Contabilizam-se ainda cinco crianças nos feridos ligeiros.

JYGA // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Futura sede da TAP pode vir a custar 3,8 milhões/ano. Pilotos criticam mudança

O sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusou, esta quinta-feira, a gestão da TAP de “desperdiçar” as receitas do verão com “milhões de erros” cometidos ao longo do ano. Um deles é, segundo a estrutura sindical, o “gasto desnecessário com a mudança da sede da empresa do Aeroporto de Lisboa para o Parque das Nações. Um dos edifícios na mira da companhia aérea nacional tem uma renda anual de quase 4 milhões de euros.

Vida e obra de Luís Ferreira Alves: o pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal

Luís Ferreira Alves, pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal, impulsionou a evolução desta arte desde a década de 80, acarinhado e reconhecido no meio, morreu em Julho aos 84 anos.

Sindicato dos Pilotos da Aviação acusa a TAP de "milhões de erros" 

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusa a TAP de desperdiçar as receitas do verão com milhões de erros ao longo ano. Entre os principais problemas apontados pela estrutura está a contratação externa de serviços a várias companhias áreas, num valor superior a 200 milhões de euros.