Arménio Carlos garante que trabalhadores apresentam-se em Janeiro na empresa

Arménio Carlos garante que trabalhadores apresentam-se em Janeiro na empresa
| Norte
Porto Canal

O secretário-geral da CGTP garantiu hoje que os funcionários dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) vão apresentar-se ao serviço a 02 de janeiro "para trabalhar", apesar de anunciado para o próximo mês a subconcessão à Martifer.

A convicção do líder da CGTP foi demonstrada no final da sétima manifestação realizada pelos trabalhadores dos estaleiros desde junho de 2011 e que hoje juntou na cidade de Viana do Castelo cerca de 2.500 pessoas a reclamarem a suspensão da subconcessão, processo que prevê o fecho da empresa e o despedimento dos 609 trabalhadores.

"Vão ver que no dia 02 de janeiro lá estarão estas centenas de trabalhadores a entrarem tranquilamente, logo pela manhã, nos locais de trabalho, nos estaleiros, para trabalhar e para produzir. A reafirmar que não vão baixar os braços, que não querem subsídios, não querem indemnizações, querem trabalhar, caramba", insurgiu-se Arménio Carlos.

O líder da intersindical, que participou na manifestação de hoje, acusa o ministro da Defesa Nacional de tentar "aliciar" os trabalhadores dos ENVC com um plano de rescisões amigáveis ao qual já aderiram cerca de 80 funcionários.

"Respeitamos a opinião pessoal de cada trabalhador. Mas serão 80 em 620, a esmagadora maioria continua a defender os postos de trabalho. Até agora está demostrado que [o plano de rescisões amigáveis] é um enormíssimo fracasso", garantiu Arménio Carlos, exigindo a viabilização da empresa e o início "imediato" da construção dos navios asfalteiros para a Venezuela por 128 milhões de euros nos ENVC.

A CGTP confirmou ainda o apoio à iniciativa da comissão de trabalhadores dos ENVC, que hoje anunciou um protesto à porta da residência oficial do primeiro-ministro, pelas 15:30 de 18 de dezembro.

Nesta ação de luta, em que a população de Viana do Castelo também está a ser convidada a participar, os trabalhadores pretendem reclamar a Pedro Passos Coelho a avocação deste processo e a suspensão do encerramento e da subconcessão da empresa.

O grupo Martifer anunciou que vai assumir em janeiro a subconcessão dos terrenos, infraestruturas e equipamentos dos ENVC, pagando ao Estado uma renda anual de 415 mil euros, até 2031, conforme concurso público internacional que venceu.

A nova empresa West Sea deverá recrutar 400 dos atuais 609 trabalhadores, que estão a ser convidados a aderir a um plano de rescisões amigáveis, que vai custar 30,1 milhões de euros.

Em função da adesão a este plano, poderá ser lançado um despedimento coletivo na empresa.

+ notícias: Norte

Barroselas e Carvoeiro: ganha o "Sim" na separação das freguesias

O "Sim" ganhou no Referendo para a separação da União de Freguesias de Barroselas e Carvoeiro, em Viana do Castelo. A votação não tem, no entanto, poder vinculativo, porque foram às urnas menos de 50% dos eleitores.

António Sarmento, primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, deixa direção do serviço de Infecciologia do Hospital de São João

António Sarmento, o primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, numa cerimónia no final de 2020 que marcou o início do maior plano logístico jamais implementado no país, retirou-se da direção de serviço de Infecciologia do Hospital de São João, que liderava há 16 anos.

Para o agora ex-diretor, “ser médico é quase como no amor.” É preciso alimentar o gosto. E foi a paixão pela atividade clínica que o manteve 16 anos na liderança da equipa. “Não deixei isto por cansaço nem por falta de saúde, e a intenção não é reformar-me”, garante.

Embora tenha abandonado oficialmente o cargo no dia 15 de julho, para ser rendido no lugar por Maria de Lurdes Santos, diz querer continuar a passar nos corredores. “É evidente que vou continuar a ser médico. Tenho mais três anos para me manter no hospital.”

Vilarinho da Furna: as memórias de uma aldeia que emerge das águas no verão

Em 1971, com a construção da barragem a antiga aldeia em Terras do Bouro ficou submersa no rio Homem e 250 moradores foram obrigados a abandonar as suas casas. Todos os anos, a 15 de agosto, antigos moradores e familiares reúnem-se e reavivam memórias com uma visita à aldeia, que por esta altura emerge das águas e revela o que resta das casas típicas de granito.