Empresa compra aço e serviços para construção de asfalteiros por mais de 3,7 ME

Empresa compra aço e serviços para construção de asfalteiros por mais de 3,7 ME
| Norte
Porto Canal

A administração dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) contratou nas últimas semanas a aquisição de mais de 3,7 milhões de euros em aço e outros serviços envolvendo a construção de dois navios asfalteiros para a Venezuela.

De acordo com cinco contratos consultados hoje pela agência Lusa, trata-se da aquisição de perfis (por 1,6 milhões de euros), parte de perfis (114 mil euros) e barras de aço (1,9 milhões de euros), além de serviços de testes e preparação dos tanques de carga dos dois navios, por 28.600 e 74.900 euros, respetivamente.

Estes cinco contratos de aquisição de aço e serviços a vários fornecedores foram publicados pela administração dos ENVC entre 06 e 11 de dezembro.

Esta semana, em entrevista à agência Lusa, o presidente da Empresa Portuguesa de Defesa (Empordef) - que detém a totalidade do capital social dos ENVC, que serão encerrados -, tinha já garantido que o contrato entre os estaleiros e a empresa pública Petróleos da Venezuela (PDVSA), no valor de 128 milhões de euros, "está válido" e em "cumprimento", face à aquisição, em curso, de matéria-prima e equipamentos.

Os ENVC, precisou Rui Vicente Ferreira, até já conseguiram cumprir as primeiras quatro fases do contrato, de um total de 14, até à entrega dos dois navios, prevista para meados e final de 2015, conforme renegociação acordada com a Venezuela em julho passado.

A empresa tinha já adquirido em maio 890 mil euros de aço, tendo iniciado a fase de corte no mês seguinte.

Contudo, explicou o administrador da Empordef, decorrem negociações com a Venezuela para que seja o novo subconcessionário dos ENVC, o grupo Martifer, a construir estes dois navios asfalteiros, de 188 metros de comprimento.

"Temos tido negociações no sentido de acordar com a PDVSA as melhores condições para haver possibilidade de esse contrato ser realizado pelo subconcessionário. É um dossiê que está em análise, não está fechado", disse Vicente Ferreira.

Admitiu ainda que é "vital para a continuidade da atividade" em Viana do Castelo que o contrato, que data de 2010, "se mantenha", apesar da liquidação dos estaleiros.

"Não está a ser preparada nenhuma solução alternativa, nem foi solicitada pela PDVSA nenhuma solução alternativa", apontou.

Os ENVC já receberam uma tranche de 10% do valor do contrato, utilizado em 2011 para pagar salários na empresa.

"Felizmente, neste momento, estamos num estádio de cumprimento elevado. Estamos com respiração para conseguirmos que o contrato se mantenha vivo", admitiu Vicente Ferreira.

A liquidação dos ENVC e o consequente concurso internacional para a subconcessão foi a solução definida pelo Governo português para evitar a devolução de 181 milhões de euros de ajudas públicas não declaradas à Comissão Europeia, atribuídas desde 2006, no âmbito de uma investigação lançada por Bruxelas que inviabilizou o processo de reprivatização.

O grupo Martifer anunciou entretanto que vai assumir em janeiro a subconcessão dos terrenos, infraestruturas e equipamentos dos ENVC, pagando ao Estado uma renda anual de 415 mil euros, até 2031.

A nova empresa West Sea deverá recrutar 400 dos atuais 609 trabalhadores, que estão a ser convidados a aderir a um plano de rescisões amigáveis que vai custar 30,1 milhões de euros.

+ notícias: Norte

Póvoa de Varzim: Autarcas recebem envelopes com bala e ameaças de morte 

O presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, e o seu vice-presidente, Luís Batista, receberam esta terça-feira um envelope com duas balas no interior, revelou a autarquia em comunicado. Em causa está o início da demolição da desativada Praça de Touros da cidade.

The Times destaca Matosinhos, "um segredo na costa Norte de Portugal"

Vista como “o local secreto da costa do norte de Portugal”, a cidade de Matosinhos foi destacada na célebre revista “The Times”, que refere a grande indústria piscatória que a cidade acolhe e a imensa quantidade e qualidade de restaurantes que oferece.

Disponibilizados 5 ME para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática disse terça-feira que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros (ME) para ações de emergência na área ardida da serra da Estrela.