Sobe para 2.357 número de mortos nas Filipinas devido ao tufão Haiyan

Sobe para 2.357 número de mortos nas Filipinas devido ao tufão Haiyan
| Mundo
Porto Canal

O Conselho para a Gestão e Redução de Desastres das Filipinas, órgão que prossegue com o lento processo de contagem das vítimas, informou ainda, no seu mais recente relatório, do registo de um total de 3.853 feridos e de 77 desaparecidos.

As autoridades filipinas antecipam uma aumento do número de mortos nas próximas horas, como consequência da chegada das equipas de resgate às zonas de difícil acesso, não descartando a possibilidade de o balanço final se aproximar do da ONU.

As Nações Unidas estimam em dez mil o número de mortos na catástrofe, um valor colocado de parte, na noite de terça-feira, pelo Presidente filipino, Benigno Aquino, que calculou, em entrevista à CNN, que este se situe entre 2.000 e 2.500.

À luz dos dados oficiais disponibilizados até agora, o tufão Haiyan figura como a terceiro catástrofe natural mais mortífera da história das Filipinas, superada apenas pelo tsunami de 1975, que fez entre 5.000 e 8.000 mortos no sul da ilha de Mindanao, e pelas inundações provocadas, em 1991, pela tempestade "Thelma", que matou 5.100 habitantes da cidade de Ormoc, na ilha de Leyte.

No total, o tufão Haiyan afetou um milhão de famílias -- ou perto de oito milhões de pessoas -- em mais de 50 cidades do país, de acordo com dados do Conselho.

Aproximadamente 112 mil destas famílias foram desalojadas pelo desastre, procurando refúgio num dos 1.099 centros de abrigo, acrescentou o órgão governamental.

Segundo estimativas oficiais, divulgadas esta quarta-feira, cerca de 80 mil casas foram destruídas pela força dos ventos superiores a 225 quilómetros por hora e pela subida do nível do mar de até quatro metros.

O Conselho calculou em 4.000 milhões de pesos (68,2 milhões de euros) os danos provocados pelo tufão Haiyan, dos quais 360 milhões (6.138 euros) envolvendo infraestruturas.

O Governo filipino calculou em 3.800 milhões de pesos (64,8 milhões de euros) a ajuda disponibilizada por 36 países e organizações, depois de a ONU ter instado a comunidade internacional a enviar uma verba de 301 milhões de dólares (224 milhões de euros) para responder, nos próximos seis meses, à situação de emergência que se vive atualmente nas Filipinas.

+ notícias: Mundo

Autoridades pró-russas anunciam vitória do “sim” à anexação em Zaporijia

As autoridades pró-Moscovo anunciaram, esta terça-feira, que os cidadãos da região ucraniana de Zaporijia, uma das quatro ocupadas pela Rússia, aprovaram a anexação à Federação Russa no referendo organizado pelo Kremlin e que decorreu nos últimos quatro dias.

Protestos no Irão continuam na 12ª noite consecutiva

Esta terça-feira os iranianos voltaram a sair às ruas em protesto contra a morte da jovem Mahsa Amini. O governo iraniano tem marcado uma posição firme contra os manifestantes mesmo com os vários apelos internacionais para terminar com o usa da força.

Ucrânia: Autoridades russas anunciam vitória ampla do "sim" em todos os referendos

As autoridades pró-Rússia nas regiões ucranianas de Zaporijia, Kherson e Lugansk reivindicaram esta terça-feira uma vitória do "sim" à anexação pela Rússia, estando ainda a aguardar-se pelos resultados da quarta região ucraniana ocupada pela Federação Russa.