Info

Flagelo das licenciaturas. Segunda demissão no Governo numa semana

Flagelo das licenciaturas. Segunda demissão no Governo numa semana
| Política
Porto Canal (SYA)

Depois de Rui Roque, também Nuno Félix, chefe do gabinete do Secretário de Estado da Juventude e do Desporto demitiu-se nesta sexta-feira depois de ter apresentado, não uma, mas duas licenciaturas que não terá terminado. Ambas as faculdades que diz ter frequentado admitem que foi aluno mas confirmam que não terminou nenhum dos cursos, adianta O Observador.

Nuno Félix, chefe do gabinete do Secretário de Estado da Juventude e do Desporto demitiu-se nesta sexta-feira, após se tornar publico a não conclusão das duas licenciaturas que apresentava para efeitos de despacho de nomeação publicados em Diário de República.

Nuno Félix apresentava duas licenciaturas, uma em Ciências da Comunicação na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e outra em Direito na Universidade Autónoma de Lisboa. No entanto, ambas as faculdades confirmam que o indivíduo foi aluno, mas negam que tenha concluído os cursos.

O antigo Secretário de Estado, Wengorovius Meneses, diz que quando soube da irregularidade da situação pelo jurista do gabinete, comunicou ao Ministro da Educação que o terá impedido de expôr a situação. Wengorovius admitiu que foi uma das razões para a sua posterior demissão.

O despacho assinado pelo novo Secretário de Estado a 23 de maio já não continha a informação de conclusão das mesmas licenciaturas.

Casos deste género têm sido frequentes no Governo, os casos mais mediático foram os de José Sócrates e Miguel Relvas. No entanto, ainda esta semana o Adjunto do Primeiro-Ministro, Rui Roque, se demitiu após exposição da sua falsa licenciatura.

+ notícias: Política

Presidente da República propõe ao parlamento renovar estado de emergência até 30 de abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, propôs hoje ao parlamento a renovação do estado de emergência até 30 de abril, nos mesmos termos atualmente em vigor, para permitir medidas de contenção da covid-19.

Operação Marquês: Rio defende reforma e responsabiliza poder político pela ineficácia do sistema

O presidente do PSD defendeu hoje que a reforma da Justiça é a primeira das reformas que Portugal deve fazer e responsabilizou o poder político pela ineficácia do sistema judicial, numa declaração sobre a Operação Marquês.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m