Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Investigadores descobrem nova espécie de escaravelho na Serra da Estrela

| País
Porto Canal com Lusa

Seia, Guarda, 31 dez (Lusa) - Investigadores nacionais descobriram este ano uma nova espécie de escaravelho numa cavidade natural situada na área do Parque Natural da Serra da Estrela, no concelho de Seia, distrito da Guarda.

A nova espécie de inseto foi encontrada nas rochas de uma cavidade natural, conhecida por Buraco da Moura, perto de Lapa dos Dinheiros, em Seia.

O estudo que esteve na origem da descoberta do escaravelho envolveu Artur Serrano, Carlos Aguiar e Mário Boieiro do cE3c (Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais) e biólogos de outras instituições, nomeadamente José Conde (Centro de Interpretação da Serra da Estrela) e Sandra Antunes (Centro de Conservação das Borboletas de Portugal).

"Trata-se de um escaravelho predador que apresenta adaptações particulares ao modo de vida subterrâneo, nomeadamente despigmentação do exosqueleto, ausência de asas e de olhos compostos funcionais, e possui apêndices alongados para mais facilmente detetar as suas potenciais presas e predadores", refere o cE3c.

A fonte adianta que a nova espécie "recebeu o nome de 'Domene viriatoi', em homenagem a Viriato, prestigiado chefe militar dos lusitanos", que se presume ser originário da região da Serra da Estrela.

A descoberta científica já foi publicada na revista Zootaxa, referindo os autores que a nova espécie encontrada "é diagnosticada e comparada com espécies próximas do subgénero Lathromene Koch, 1938, endémico da Península Ibérica".

Este achado confirma a importância da Península Ibérica, que "tem um 'hotspot' de biodiversidade para besouros subterrâneos e destaca a necessidade de estudar, valorizar e proteger essas espécies únicas e dos seus habitats", segundo os investigadores.

O escaravelho subterrâneo de cor avermelhada e com comprimento do corpo de 6,9 a 8,2 milímetros (machos) e 6,3 a 8,8 milímetros (fêmeas) foi estudado em duas fases, entre abril e outubro de 2013 e 2014.

O coordenador do estudo, Artur Serrano, disse à agência Lusa que "a descoberta e divulgação de qualquer espécie nova para a ciência é sempre importante, pois acrescenta mais um 'tijolo' à construção" do conhecimento sobre a biodiversidade do planeta Terra.

Em sua opinião, "qualquer território deve sentir orgulho no seu património como um todo, quer este seja o cultural, o natural, entre outros".

"Os patrimónios só podem ser valorizados e entendidos como tal se forem conhecidos e divulgados. Assim, o nosso já rico património natural ficou enriquecido com a descoberta desta nova espécie, que apesar de ser 'pequenina' em termos de envergadura, é até ao momento exclusiva do território português. Por outro lado, a sua divulgação e proteção deve ainda ser motivo de orgulho para os habitantes do concelho de Seia", referiu.

Em relação à salvaguarda do local onde o escaravelho foi encontrado, Artur Serrano lembra que "o Buraco da Moura foi classificado pelas entidades competentes como abrigo de importância nacional para a conservação dos morcegos". Logo, o acesso "deve ser restringido o máximo possível para salvaguardar a integridade deste habitat".

ASR // SSS

Lusa/fim

+ notícias: País

Ferroviários fazem greve em 04 de junho contra agente único nos comboios

Os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo vão estar em greve no dia 04 de junho contra a possibilidade de circulação de comboios com um único agente, foi hoje divulgado pelos sindicatos subscritores do pré-aviso.

Trabalhadores da Efacec em protesto contra despedimento coletivo

Os trabalhadores da Efacec estão, esta quarta-feira, em greve como forma de protesto contra o despedimento coletivo em curso. Os funcionários exigem ao Governo que trave o processo uma vez que a empresa aumentou os lucros em três milhões de euros no último ano e anunciou a contratação de 700 trabalhadores.

Centro Hospitalar Tondela-Viseu incapaz de receber novos doentes oncológicos a partir de 15 de junho

A Ordem dos Médicos denunciou hoje que o Centro Hospitalar Tondela-Viseu (CHTV) vai deixar de receber novos doentes oncológicos a partir de 15 junho, o que classifica de "enorme gravidade".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.