Info

Jorge Sequeira apresenta assinaturas e quer Portugal sem "partidocracia"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 dez (Lusa) - O candidato presidencial Jorge Sequeira apresentou hoje no Tribunal Constitucional (TC) cerca de nove mil assinaturas com vista a validar a sua candidatura, que pretende um Portugal sem "partidocracia".

"Foram sete meses de trabalho árduo, terrivelmente difícil", disse aos jornalistas, referindo-se ao processo de recolha de assinaturas.

A sua candidatura, prossegue, visa passar Portugal "da partidocracia para a meritocracia": "As pessoas que têm mais mérito deviam estar no poder", vincou o candidato.

Psicólogo, investigador, docente universitário e comentador político, Jorge Sequeira tem como lema "Portugal Somos Nós" e assinala a "independência total" da sua candidatura.

"Nunca fui filiado em nenhum partido. O meu partido é o partido do trabalho, da honestidade, do caráter", frisou.

Garantindo que "não vai dizer mal de ninguém" na campanha eleitoral, nomeadamente de outros candidatos, Jorge Sequeira diz que Portugal é um "país subgerido, não subdesenvolvido".

As eleições presidenciais realizam-se a 24 de janeiro.

PPF // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Marcelo diz que este "não é o momento ideal" para discutir a Lei de Bases da Saúde

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que este "não é o momento ideal" para discutir a Lei de Bases da Saúde, considerando preferível que esta fosse discutida em "princípio de legislatura".

Paulo Rangel diz que Portugal está "francamente mal" preparado para o Brexit

O cabeça de lista do PSD às eleições europeias, Paulo Rangel, acusa o governo de "falhar" na preparação para o 'Brexit' e estar "francamente mal" quanto à proteção de cidadãos e empresas e à salvaguarda dos interesses geopolíticos.

Presidente da República vai receber lesados do BES para "ver o que é possível fazer"

O Presidente da República disse esta sexta-feira que vai receber o grupo de lesados do BES/Novo Banco que recusou a solução encontrada pela maioria dos clientes daquela instituição para “ver o que é possível fazer”.

Atualizado 23-03-2019 12:36

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.