Info

Jorge Sequeira apresenta assinaturas e quer Portugal sem "partidocracia"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 dez (Lusa) - O candidato presidencial Jorge Sequeira apresentou hoje no Tribunal Constitucional (TC) cerca de nove mil assinaturas com vista a validar a sua candidatura, que pretende um Portugal sem "partidocracia".

"Foram sete meses de trabalho árduo, terrivelmente difícil", disse aos jornalistas, referindo-se ao processo de recolha de assinaturas.

A sua candidatura, prossegue, visa passar Portugal "da partidocracia para a meritocracia": "As pessoas que têm mais mérito deviam estar no poder", vincou o candidato.

Psicólogo, investigador, docente universitário e comentador político, Jorge Sequeira tem como lema "Portugal Somos Nós" e assinala a "independência total" da sua candidatura.

"Nunca fui filiado em nenhum partido. O meu partido é o partido do trabalho, da honestidade, do caráter", frisou.

Garantindo que "não vai dizer mal de ninguém" na campanha eleitoral, nomeadamente de outros candidatos, Jorge Sequeira diz que Portugal é um "país subgerido, não subdesenvolvido".

As eleições presidenciais realizam-se a 24 de janeiro.

PPF // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Presidente da República faz apelo cívico e pede aposta na prevenção da sinistralidade rodoviária

O Presidente da República fez este domingo um apelo cívico aos portugueses para se combater a sinistralidade rodoviária no país e pediu uma aposta das autoridades “na prevenção, na educação e na sinalização”.

Presidente da República receia que número de propostas atrase promulgação do OE 2019

O Presidente da República expressou este saábdo preocupação com o prazo de promulgação do Orçamento do Estado para 2019, afirmando recear que o número de propostas de alteração apresentadas, quase mil, leve a um atraso na redação final.

Manuel Machado diz que houve quem confundisse descentralização com regionalização

O presidente da Associação Nacional de Municípios diz-se satisfeito com o processo de descentralização. Manuel Machado garante que esta é só a primeira fase de uma transferência de competências mais ampla. E quanto aos autarcas que criticam a reforma fala de deslealdade e más interpretações

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.