Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Municípios recolhem contributos de parceiros para adaptação à mudança do clima

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 15 out (Lusa) - Os 26 municípios participantes num projeto que os desafia a se adaptarem às alterações climáticas vão recolher contributos de parceiros locais para escolherem as melhores formas de enfrentar as mudanças do clima.

"Na próxima fase vão ser feitos 'workshops' locais e são chamados 'stakeholders' [parceiros] e há reuniões com todas as entidades que acharem adequadas", avançou hoje à agência Lusa Sílvia Carvalho, da equipa de investigação CCIAM, da Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa, uma das entidades que desenvolve o projeto Climadapt.Local.

A iniciativa pretende ajudar as câmaras municipais a definirem planos para enfrentar as alterações climáticas, abrangendo um conjunto que reflete todo o país, abrangendo Madeira e Açores, para incluir vários tipos de problemas e setores afetados.

Os eventos climáticos que foram identificados como podendo provocar maior vulnerabilidade para os municípios foram a precipitação excessiva, que levaria a cheias e inundações rápidas, as temperaturas elevadas e ondas de calor, secas, ondulações fortes, gelo e neves, deslizamento de vertentes e galgamento costeiro.

Sílvia Carvalho referiu que, depois de identificadas as vulnerabilidades, segue-se a fase de definição e priorização de opções de adaptação, trabalho que se baseia na análise de vários critérios, como a urgência, a flexibilidade ou a equidade de cada uma das alternativas.

Entre as opções de adaptação podem estar a promoção de corredores verdes, de espaços no parque edificado, a criação de ciclovias, a aposta em espécies agrícolas mais resistentes à seca, para evitar uma maior ameaça à agricultura, a criação de bacias de retenção para fazer face a inundações urbanas e cheias ou a regeneração do cordão dunar em zonas costeiras.

O grupo de municípios participantes no Climadapt, a que se juntam quatro a cinco "observadores", pode ainda introduzir alterações em planos já existentes ou desenvolver ações de sensibilização em escolas.

"Há problemas comuns a todos, mas muitas [das opções de adaptação] são particulares para responder a especificidades socio-económicas ou geográficas de cada um dos municípios", referiu Sílvia Carvalho.

Alguns concelhos já desenvolvem projetos ou ações que têm em vista a adaptação a novas condições climatéricas, por vezes integrando entidades locais relacionadas com os setores que podem ser mais diretamente afetados, como o turismo, a agricultura, mas também a saúde ou o ordenamento do território.

Em janeiro, foram assinados protocolos com 26 municípios de todo o país, que se juntaram a Sintra, Cascais e Almada, já com trabalho feito na adaptação às alterações climáticas e na integração de medidas nos vários planos das autarquias, como na gestão dos recursos hídricos, na saúde ou na defesa dos incêndios florestais.

O consórcio responsável pelo ClimAdaPT.Local é constituído por entidades portuguesas e norueguesas envolvidas em estudos, elaboração de estratégias e ações de adaptação, assim como no planeamento e gestão do território ao nível municipal e regional.

EA // SO

Lusa/fim

+ notícias: País

Número de mortos do "pior dia do ano" em incêndios sobe para 42

Os incêndios florestais que deflagraram no domingo em várias zonas do país e que tornaram este o "pior dia do ano" em matéria de incêndios provocaram 42 mortos, disse esta quarta-feira à Lusa a adjunta do comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar.

Atualizado 18-10-2017 18:09

Ordem dos Médicos exige auditoria independente e urgente ao SNS

A Ordem dos Médicos exigiu esta quarta-feira uma auditoria independente e urgente ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), na sequência das conclusões de um relatório do Tribunal de Contas sobre o acesso a consultas e cirurgias.

José Palmeira: "mais importante às vezes do que pedir desculpa de uma forma formal é assumir a responsabilidade daquilo de mal que aconteceu"

José Palmeira, docente da Universidade do Minho, perante a demissão de Constança Urbano de Sousa, explica que existe uma incapacidade de resposta do Estado na situação dos incêndios mas que o "mais importante às vezes do que pedir desculpa de uma forma formal é assumir a responsabilidade daquilo de mal que aconteceu".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"