Info

MEC faz protocolo com instituto chinês sob suspeita noutros países

MEC faz protocolo com instituto chinês sob suspeita noutros países
| País
Porto Canal (DYC)

Ministério da Educação e Ciência está a ultimar protocolo com o Instituto Confúcio da República Popular da China. A organização está sob suspeita noutros países ocidentais.

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) confirmou que as aulas de mandarim nas escolas secundárias públicas arrancarão no próximo ano lectivo e serão leccionadas por professores chineses pagos pelo Governo da República Popular da China.

O MEC está, por isso, a negociar com o Instituto Confúcio da República Popular da China (Hanban), numa altura em que em vários países ocidentais há universidades e autoridades regionais da educação a cancelar os protocolos com o instituto, por considerarem que a sua presença pode “ameaçar a liberdade académica e promover a vigilância de estudantes chineses no estrangeiro”, segundo a agência Reuters.

A Universidade de Estocolmo foi uma das que cancelou o protocolo com o instituto, na sequência de incidentes ocorridos durante uma conferência em Braga e em Coimbra promovida pela Associação Europeia de Estudos Chineses, em Julho de 2014, e que ficou marcada por um acto de censura por parte de responsáveis chineses.

Ao contrário do que acontece com institutos como o britânico British Council ou o alemão Goethe Institut, o Hanban não tem instalações próprias no estrangeiro e funciona, por isso, nas universidades com quem estabelece protocolos, que envolvem o financiamento de actividades e a atribuição de bolsas.

+ notícias: País

Quercus denuncia a existência de uma corrida ao lítio em Portugal

A associação ambientalista Quercus denuncia a existência de uma corrida ao lítio em Portugal. Nos últimos três anos, 79 municípios receberam pedidos de prospecção.

Notas do 9.º ano descem a Português e Matemática volta à positiva

As médias dos alunos do 9.º ano nos exames desceram este ano a Português e a Matemática, voltando a uma média positiva, mas com uma taxa de reprovação ainda a rondar os 30%, segundo dados oficiais hoje divulgados.

Cada português consumiu no ano passado 3,3Kg de açúcar em 60 litros de refrigerante

Cada português consumiu no ano passado 60 litros de refrigerantes, o que equivale a 3,3 quilogramas de açúcar, um valor menor do que no ano anterior, quando começou a ser aplicado o imposto sobre estas bebidas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.