Info

MEC faz protocolo com instituto chinês sob suspeita noutros países

MEC faz protocolo com instituto chinês sob suspeita noutros países
| País
Porto Canal (DYC)

Ministério da Educação e Ciência está a ultimar protocolo com o Instituto Confúcio da República Popular da China. A organização está sob suspeita noutros países ocidentais.

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) confirmou que as aulas de mandarim nas escolas secundárias públicas arrancarão no próximo ano lectivo e serão leccionadas por professores chineses pagos pelo Governo da República Popular da China.

O MEC está, por isso, a negociar com o Instituto Confúcio da República Popular da China (Hanban), numa altura em que em vários países ocidentais há universidades e autoridades regionais da educação a cancelar os protocolos com o instituto, por considerarem que a sua presença pode “ameaçar a liberdade académica e promover a vigilância de estudantes chineses no estrangeiro”, segundo a agência Reuters.

A Universidade de Estocolmo foi uma das que cancelou o protocolo com o instituto, na sequência de incidentes ocorridos durante uma conferência em Braga e em Coimbra promovida pela Associação Europeia de Estudos Chineses, em Julho de 2014, e que ficou marcada por um acto de censura por parte de responsáveis chineses.

Ao contrário do que acontece com institutos como o britânico British Council ou o alemão Goethe Institut, o Hanban não tem instalações próprias no estrangeiro e funciona, por isso, nas universidades com quem estabelece protocolos, que envolvem o financiamento de actividades e a atribuição de bolsas.

+ notícias: País

Crianças são as mais afetadas pela pobreza em Portugal e há cerca de 330 mil em risco

Cerca de 330 mil crianças estão em risco de pobreza em Portugal, sendo que o grupo etário até aos 18 anos é o mais afetado, o que significa que há mais crianças pobres do que adultos ou idosos.

Dezanove pessoas morreram nas praias portuguesas durante a época balnear 2019

Dezanove pessoas morreram nas praias portuguesas durante a época balnear, que terminou na segunda-feira, na qual foram registados 502 salvamentos e 786 ações de primeiros socorros, divulgou hoje a Autoridade Marítima Nacional.

200 enfermeiros vão ter que devolver aumentos salariais

Cerca de 200 enfermeiros estão a ser chamados pelos hospitais para devolver os supostos aumentos salariais resultantes do descongelamento das progressões das carreiras. O sindicato defende que se trata apenas de ajustamentos na tabela e ameaçam levar o caso a tribunal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.