Info

Bundesbank diz que BCE não deve financiar a Grécia

Bundesbank diz que BCE não deve financiar a Grécia
| Política
Porto Canal com Lusa

O Banco Central Europeu (BCE) não deve resolver as necessidades de financiamento da Grécia, mesmo na hipótese de um acordo entre Atenas e os credores, considerou hoje o presidente do Bundesbank, banco central alemão.

"Devia ser claro para todas as partes envolvidas nas atuais negociações que o Eurosistema (rede de bancos centrais da zona euro) não deve preencher as necessidades de financiamento da Grécia, mesmo em antecipação de um futuro desbloqueio de dinheiro", declarou Jens Weidmann, num discurso em Frankfurt.

Devido às dificuldades financeiras que atravessa, a Grécia tem estado afastada dos mercados e depende dos seus bancos para financiamento.

Mas, os bancos gregos também não podem financiar-se através de operações normais de refinanciamento do BCE, desde que em fevereiro a instituição liderada por Mario Draghi deixou de aceitar dívida grega como garantia.

Enquanto não há acordo entre a Grécia e os credores sobre as reformas que o país deve fazer em troca de financiamento, o BCE tem garantido liquidez aos bancos gregos através de uma linha de financiamento de emergência (ELA), que tem vindo a aumentar regularmente.

Para Weidmann, "isso suscita dúvidas quanto à solidez financeira" dos bancos gregos, fragilizados com o levantamento de depósitos suscitado pelas inquietações quanto ao futuro do país.

"Se os bancos, que perderam o acesso aos mercados, compram dívida de um país que está fora do mercado, o recurso à ELA levanta sérias preocupações de financiamento monetário", apontou o responsável alemão, em alusão ao mandato do BCE que o proíbe de financiar diretamente os Estados.

Segundo Jens Weidmann, "os bancos que recebem financiamento da ELA devem ser incitados a fazer urgentemente tudo o que for possível para melhorar a sua liquidez e impedi-los de a agravar com a compra de títulos do tesouro gregos" que não encontram outros compradores no mercado atualmente.

+ notícias: Política

Eutanásia: Parlamento aprova na generalidade despenalização da morte medicamente assistida

A Assembleia da República aprovou hoje na generalidade os cinco projetos para despenalização da morte medicamente assistida.

Atualizado 20-02-2020 19:11

Eutanásia: PCP alerta para "novos riscos" da legalização da morte assistida

O deputado do PCP António Filipe defendeu hoje que o "direito à vida é um direito fundamental, inviolável e irrenunciável" e que a "legalização da eutanásia" acrescenta "novos riscos" numa "sociedade determinada pelo capitalismo".

Descentralização: Dossiers da Saúde, Educação e Ação Social ficam adiados para 2022

O Governo garante que o processo de Descentralização não está suspenso. A ministra Alexandra Leitão diz apenas que nas áreas da Saúde, Educação e Ação Social na reforma é adiada para o primeiro trimestre de 2022.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Nasci em Lisboa mas digo sempre vou...

D'Mais

Travelhood - Roteiros na natureza para...