Info

China é o segundo país com maior área de cultivo de vinha

| Mundo
Fonte: Agência Lusa

Paris, 27 abr (Lusa) - A Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) colocou hoje a China como o segundo país com a maior área de cultivo de vinha, seguida pela França.

De acordo com dados do ano passado, apresentados em conferência de imprensa, a China tem 799 mil hectares de terra ocupada por vinhas. Espanha, no primeiro lugar, tem 1,02 milhões de hectares.

A França continua a ser o maior produtor de vinho do mundo, produzindo 47 milhões de hectolitros no ano passado. Este país foi também o maior exportador de vinho, obtendo mais de 7,7 mil milhões de euros, indicou a OIV, um organismo intergovernamental, de carácter científico e técnico.

Os Estados Unidos são o maior consumidor, com cerca de 31 mil hectolitros, seguido pela França e Itália.

A China emergiu rapidamente com um dos principais atores na vinicultura, com 11% do território ocupado por vinhedos no ano passado. Em 2000, o país tinha 4% do território destinado ao cultivo de vinha.

Os maiores importadores de vinho foram a Alemanha, o Reino Unido e os Estados Unidos, com um volume de negócios global de 26 mil milhões de euros.

EJ // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: Primeira morte pelo novo coronavírus na Europa registada em França

Paris, 15 fev 2020 (Lusa) -- Um turista chinês de 80 anos infetado pelo novo coronavírus (Covid-19) morreu em França, sendo esta a primeira morte na Europa, anunciou hoje a ministra da Saúde francesa, Agnès Buzyn.

UE/Orçamento: "Vinte e Sete" voltam à mesa para discutir nova proposta

Bruxelas, 21 fev 2020 (Lusa) -- O Conselho Europeu extraordinário para negociar o orçamento plurianual, iniciado na quinta-feira em Bruxelas, foi retomado formalmente hoje à tarde, estando agora sobre a mesa uma proposta revista ainda menos ambiciosa que a anterior, mas com um reforço na coesão.

Polícia angolana diz que uso da força em manifestações "resulta da desobediência dos cidadãos"

Luanda, 21 fev 2020 (Lusa) - A polícia angolana disse hoje que o uso da força em manifestações "muitas vezes resulta de desobediência dos cidadãos", afirmando que a polícia é chamada para "garantir o livre exercício de reunião ou interditar manifestações violentas".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.