Info

China é o segundo país com maior área de cultivo de vinha

| Mundo
Fonte: Agência Lusa

Paris, 27 abr (Lusa) - A Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) colocou hoje a China como o segundo país com a maior área de cultivo de vinha, seguida pela França.

De acordo com dados do ano passado, apresentados em conferência de imprensa, a China tem 799 mil hectares de terra ocupada por vinhas. Espanha, no primeiro lugar, tem 1,02 milhões de hectares.

A França continua a ser o maior produtor de vinho do mundo, produzindo 47 milhões de hectolitros no ano passado. Este país foi também o maior exportador de vinho, obtendo mais de 7,7 mil milhões de euros, indicou a OIV, um organismo intergovernamental, de carácter científico e técnico.

Os Estados Unidos são o maior consumidor, com cerca de 31 mil hectolitros, seguido pela França e Itália.

A China emergiu rapidamente com um dos principais atores na vinicultura, com 11% do território ocupado por vinhedos no ano passado. Em 2000, o país tinha 4% do território destinado ao cultivo de vinha.

Os maiores importadores de vinho foram a Alemanha, o Reino Unido e os Estados Unidos, com um volume de negócios global de 26 mil milhões de euros.

EJ // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

"Coletes amarelos" mobilizaram 66 mil manifestantes em França

A mobilização dos "coletes amarelos" registou este sábado um claro recuo em toda a França, com cerca de 66.000 manifestantes às 18:00, em vez dos 126.000 contabilizados à mesma hora no sábado passado, segundo números fornecidos pelo Ministério do Interior.

Novo balanço de ataque em Estrasburgo dá conta de dois mortos e 14 feridos

O balanço do ataque ao mercado de Natal em Estrasburgo, na noite de terça-feira, foi revisto esta quarta-feira de manhã pela prefeitura de Bas-Rhin, que deu conta de dois mortos, sete feridos graves e sete feridos ligeiros.

Parlamento venezuelano declara que eleições de domingo são inexistentes

A Assembleia Nacional da Venezuela, onde a oposição detém a maioria, aprovou na terça-feira um acordo no qual se declara como inexistentes as eleições locais venezuelanas de domingo por, alegadamente, violarem a Constituição.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.