Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Música, debates e cinema assinalam quatro anos do protesto "Geração à rasca"

| País
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 10 mar (Lusa) -- Música, debates e cinema assinalam, entre quinta-feira e sábado, em Lisboa, o quarto aniversário da manifestação "Geração à Rasca", primeiro protesto convocado através das redes sociais em Portugal, que levou às ruas meio milhão de pessoas.

Para assinalar a passagem de quatro anos sobre a manifestação de 12 de março de 2011, a Academia Cidadã organiza a Primavera Cidadã-Semana da Cidadania 2015, que prevê a realização de várias atividades gratuitas, em Lisboa, a partir de quinta-feira, culminando no debate "Comunidade e Governação" e na exibição do documentário "Dreamocracy", de Raquel Freire e Valérie Mitteaux, no sábado.

Na quinta-feira, 12 de março, a Associação Amigos do Minho (Intendente, Lisboa) promove uma festa que será animada pela dupla de espetáculo circence Gonçalo Beira e Cláudio Fernandes, bem como pelo o DJ Cumbidado.

A Festa das Gentes, no Clube B.Leza, realiza-se na sexta-feira, 13 de março. Inclui um 'workshop' do grupo de dança Batoto Yetu e concertos das Batucadeiras Sabura Txabetinha e dos Bambaram.

A 14 de março, sábado, realiza-se o debate "Comunidade e Governação", que tem por objetivo discutir "como se constrói uma cidade e se concilia o trabalho das associações e movimentos com a ação política das instituições oficiais", segundo a organização.

Ao final da tarde, será exibido o documentário "Dreamocracy", de Raquel Freire e Valérie Mitteaux, sobre a fundação da Academia Cidadã, os desafios da democracia e o espaço de participação cívica português e europeu.

"O filme retrata um Portugal em crise: o desespero das pessoas para sobreviveram no quotidiano e as tentativas de luta contra a desumanização, pelo direito universal a uma vida digna. Um outro olhar sobre o ativismo contemporâneo, que parte de casa, da internet e sai para a rua à procura da mudança real e de novos paradigmas", explica a organização.

No final, as realizadoras do documentário e vários ativistas da Academia Cidadã conversam com o público.

Ainda no âmbito das iniciativas da Primavera Cidadã 2015, cerca de duas dezenas de ativistas estrangeiros estarão em Lisboa onde irão conhecer vários projetos com visitas, nomeadamente a organizações como o Moinho da Juventude (Cova da Moura), Salamandra Dourada (Ameixoeira), Renovar a Mouraria, Chapitô (Alfama) entre outros.

A 12 de março de 2011, pela primeira vez, um protesto convocado nas redes sociais e não vinculado a partidos políticos ou sindicatos, conseguiu reunir o maior número de manifestantes desde o 25 de Abril de 1974, nas ruas de 11 cidades portuguesas e também no estrangeiro.

Até hoje, o protesto foi apenas superado pela manifestação promovida pelo movimento "Que se lixe a troika!", realizada a 15 de setembro de 2012.

A manifestação do movimento "Geração à rasca" reivindicava melhorias na educação, nas condições de trabalho e o fim da precariedade laboral, e reuniu nas ruas milhares de manifestantes, sobretudo jovens, mas também de outras idades e de movimentos, grupos de diferentes identidades e ideais, como a defesa da condição da mulher ou dos direitos dos homossexuais, e que, no conjunto, iam da extrema-esquerda à extrema-direita, alguns mesmo de caráter ultranacionalista ou neonazi.

CFF (CMP) // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Número de mortos do "pior dia do ano" em incêndios sobe para 42

Os incêndios florestais que deflagraram no domingo em várias zonas do país e que tornaram este o "pior dia do ano" em matéria de incêndios provocaram 42 mortos, disse esta quarta-feira à Lusa a adjunta do comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar.

Atualizado 18-10-2017 18:09

Ordem dos Médicos exige auditoria independente e urgente ao SNS

A Ordem dos Médicos exigiu esta quarta-feira uma auditoria independente e urgente ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), na sequência das conclusões de um relatório do Tribunal de Contas sobre o acesso a consultas e cirurgias.

José Palmeira: "mais importante às vezes do que pedir desculpa de uma forma formal é assumir a responsabilidade daquilo de mal que aconteceu"

José Palmeira, docente da Universidade do Minho, perante a demissão de Constança Urbano de Sousa, explica que existe uma incapacidade de resposta do Estado na situação dos incêndios mas que o "mais importante às vezes do que pedir desculpa de uma forma formal é assumir a responsabilidade daquilo de mal que aconteceu".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"