Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Música, debates e cinema assinalam quatro anos do protesto "Geração à rasca"

| País
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 10 mar (Lusa) -- Música, debates e cinema assinalam, entre quinta-feira e sábado, em Lisboa, o quarto aniversário da manifestação "Geração à Rasca", primeiro protesto convocado através das redes sociais em Portugal, que levou às ruas meio milhão de pessoas.

Para assinalar a passagem de quatro anos sobre a manifestação de 12 de março de 2011, a Academia Cidadã organiza a Primavera Cidadã-Semana da Cidadania 2015, que prevê a realização de várias atividades gratuitas, em Lisboa, a partir de quinta-feira, culminando no debate "Comunidade e Governação" e na exibição do documentário "Dreamocracy", de Raquel Freire e Valérie Mitteaux, no sábado.

Na quinta-feira, 12 de março, a Associação Amigos do Minho (Intendente, Lisboa) promove uma festa que será animada pela dupla de espetáculo circence Gonçalo Beira e Cláudio Fernandes, bem como pelo o DJ Cumbidado.

A Festa das Gentes, no Clube B.Leza, realiza-se na sexta-feira, 13 de março. Inclui um 'workshop' do grupo de dança Batoto Yetu e concertos das Batucadeiras Sabura Txabetinha e dos Bambaram.

A 14 de março, sábado, realiza-se o debate "Comunidade e Governação", que tem por objetivo discutir "como se constrói uma cidade e se concilia o trabalho das associações e movimentos com a ação política das instituições oficiais", segundo a organização.

Ao final da tarde, será exibido o documentário "Dreamocracy", de Raquel Freire e Valérie Mitteaux, sobre a fundação da Academia Cidadã, os desafios da democracia e o espaço de participação cívica português e europeu.

"O filme retrata um Portugal em crise: o desespero das pessoas para sobreviveram no quotidiano e as tentativas de luta contra a desumanização, pelo direito universal a uma vida digna. Um outro olhar sobre o ativismo contemporâneo, que parte de casa, da internet e sai para a rua à procura da mudança real e de novos paradigmas", explica a organização.

No final, as realizadoras do documentário e vários ativistas da Academia Cidadã conversam com o público.

Ainda no âmbito das iniciativas da Primavera Cidadã 2015, cerca de duas dezenas de ativistas estrangeiros estarão em Lisboa onde irão conhecer vários projetos com visitas, nomeadamente a organizações como o Moinho da Juventude (Cova da Moura), Salamandra Dourada (Ameixoeira), Renovar a Mouraria, Chapitô (Alfama) entre outros.

A 12 de março de 2011, pela primeira vez, um protesto convocado nas redes sociais e não vinculado a partidos políticos ou sindicatos, conseguiu reunir o maior número de manifestantes desde o 25 de Abril de 1974, nas ruas de 11 cidades portuguesas e também no estrangeiro.

Até hoje, o protesto foi apenas superado pela manifestação promovida pelo movimento "Que se lixe a troika!", realizada a 15 de setembro de 2012.

A manifestação do movimento "Geração à rasca" reivindicava melhorias na educação, nas condições de trabalho e o fim da precariedade laboral, e reuniu nas ruas milhares de manifestantes, sobretudo jovens, mas também de outras idades e de movimentos, grupos de diferentes identidades e ideais, como a defesa da condição da mulher ou dos direitos dos homossexuais, e que, no conjunto, iam da extrema-esquerda à extrema-direita, alguns mesmo de caráter ultranacionalista ou neonazi.

CFF (CMP) // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Autarquias portuguesas estão a tomar medidas para prevenir ataques terroristas

Em Portugal, algumas autarquias estão a tomar medidas para prevenir ataques terroristas como aquele que aconteceu em Barcelona. No Porto, só são colocadas barreiras de betão em eventos com grande concentração de pessoas. Já em Vila Nova de Gaia, à beira-rio foram colocadas barreiras na altura do São João mas a autarquia optou por mantê-las.

O que fazer em caso de atentado terrorista?

A PSP lançou um guia para a população seguir em caso de ataque terrorista em Portugal. Fugir, proteger e ligar são os três principais conselhos.

Número de detidos por suspeita de fogo posto quase duplicou face a 2016

As forças de segurança detiveram este ano 102 pessoas suspeitas do crime de incêndio florestal, quase o dobro do número registado (53) em 2016, segundo o comandante da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...