Info

Governo da Madeira concede dois dias e meio de tolerância de ponto no Carnaval

Governo da Madeira concede dois dias e meio de tolerância de ponto no Carnaval
| Política
Porto Canal

O governo madeirense decidiu hoje conceder tolerância de ponto no período do Carnaval, nos dias 16, 17 e na parte da manhã do dia 18 de fevereiro, em todos os serviços, institutos e empresas públicas sob a sua tutela.

O facto de pela primeira vez ser concedida tolerância de ponto também na segunda-feira, dia 16 de fevereiro, é, segundo o executivo madeirense, um "gesto de reconhecimento, em fim de mandato, dada a colaboração indispensável e positiva que sempre recebeu dos seus funcionários, infelizmente também penalizados com as medidas anticrise do Estado central".

O governo de Alberto João Jardim (PSD) assegurou que, apesar da tolerância de ponto, serão assegurados todos os "serviços e atividades imprescindíveis ou indispensáveis".

O Conselho do Governo Regional deliberou ainda louvar o médico António Miguel Freitas Ferreira, que desempenhou os cargos de presidente do conselho de administração e de diretor clínico do Serviço Regional de Saúde (Sesaram).

A nota do executivo refere que Miguel Ferreira "reorganizou e disciplinou alguns aspetos menos bons da estrutura hospitalar", não hesitando em enfrentar os "lóbis tradicionais".

Por outro lado, destacou-se pela "moralização na utilização dos bens e meios públicos, impedindo circulações confusas e indevidas entre setor público e instituições privadas".

O governo da Madeira realçou também que Miguel Ferreira desenvolveu uma "obra incontestável no aumento e apetrechamento das valências hospitalares, bem como das instalações".

O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Marques Guedes, já anunciou que o Governo não dará tolerância de ponto no Carnaval, sublinhando que essa é uma questão que "está resolvida desde o início desta legislatura".

+ notícias: Política

Eutanásia: Parlamento aprova na generalidade despenalização da morte medicamente assistida

A Assembleia da República aprovou hoje na generalidade os cinco projetos para despenalização da morte medicamente assistida.

Atualizado 20-02-2020 19:11

Eutanásia: PCP alerta para "novos riscos" da legalização da morte assistida

O deputado do PCP António Filipe defendeu hoje que o "direito à vida é um direito fundamental, inviolável e irrenunciável" e que a "legalização da eutanásia" acrescenta "novos riscos" numa "sociedade determinada pelo capitalismo".

Descentralização: Dossiers da Saúde, Educação e Ação Social ficam adiados para 2022

O Governo garante que o processo de Descentralização não está suspenso. A ministra Alexandra Leitão diz apenas que nas áreas da Saúde, Educação e Ação Social na reforma é adiada para o primeiro trimestre de 2022.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.