Info

Acção para travar linha de muito alta tensão de Foz Tua já está no tribunal

Acção para travar linha de muito alta tensão de Foz Tua já está no tribunal
| Norte
Porto Canal

A Plataforma Salvar o Tua anunciou hoje que intentou uma Ação Administrativa Especial contra a Agência Portuguesa do Ambiente pela aprovação da linha de muito alta tensão que ligará a Barragem do Tua à rede elétrica nacional.

A organização, que junta associações ambientais e quintas de produção vinícola, referiu que deu entrada esta semana, no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, uma ação que visa travar a Declaração de Impacte Ambiental (DIA) que aprova uma linha de muito alta tensão "no coração" do Alto Douro Vinhateiro.

Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a DIA da linha de muito alta tensão obteve um parecer favorável condicionado ao traçado "2SM", que liga a Armamar, com travessia do rio Douro na zona da Valeira, em linha mista 400+220kV, e travessia do rio Tua a sul.

Esta solução possui uma extensão de quase 40 quilómetros e foi um dos quatro traçados propostos pela EDP.

Esta linha tem como objetivo escoar a energia produzida no Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua (AHFT) para a Rede Nacional de Transporte de Eletricidade.

Tanto a linha de muito alta tensão como o AHFT têm sido muito contestadas por organizações ambientais e cívicas, que se opõem à construção da barragem, entre os concelhos de Alijó (distrito de Vila Real) e Carrazeda de Ansiães (distrito de Bragança).

"Indo avante, os territórios durienses serão rasgados por corredores de segurança desflorestados e por torres metálicas até 68 metros, quase a altura da Torre dos Clérigos, no Porto, ou do tabuleiro da Ponte 25 de Abril, que liga Lisboa a Almada", salientou a Plataforma.

No entender desta organização, "a decisão deve ser considerada nula ou anulável", porque "os danos que esta causa ao ambiente são brutalmente desproporcionados" e "por violação do núcleo essencial do direito fundamental a um ambiente sadio e ecologicamente equilibrado".

Na ação entregue em tribunal, a Plataforma refere ainda que "a solução aprovada atravessa áreas de elevada sensibilidade para a avifauna, em flagrante violação da DIA referente ao AHFT" e que "o traçado proposto para a linha atravessa de forma visível o coração do Alto Douro Vinhateiro, em flagrante violação das exigências da UNESCO."

No entanto, segundo acrescentou, a instituição que zela pela preservação do Património Mundial da Humanidade "continua indiferente" a esta questão e "ainda não respondeu à queixa enviada em novembro, sobre as violações cometidas pela EDP e pelo Estado Português" relativas à barragem.

"A postura do Ministério do Ambiente é de cobardia política: têm todos os fundamentos técnicos para revogar o contrato de concessão da barragem de Foz Tua por incumprimento", afirmou João Joanaz de Melo, coordenador técnico da Plataforma.

O responsável lembrou que não foram revelados os resultados da ida da Inspeção-Geral do Ambiente à barragem averiguar se as obrigações resultantes da Declaração de Impacte Ambiental eram cumpridas, e que também ainda não houve resposta por parte do ministério ao recurso hierárquico interposto e em que se defendia que a DIA da linha de muito alta tensão era uma decisão ilegal.

"Parece haver uma barragem institucional às nossas ações. Face a isto, só nos resta esperar que a Justiça funcione, daí termos intentado esta Ação Administrativa Especial", justificou Joanaz de Melo.

+ notícias: Norte

Desabamento causa um ferido grave e dois ligeiros em Ponte de Lima

Um desabamento numa estrutura em construção de uma vacaria provocou, esta segunda-feira à tarde, um ferido grave e dois ligeiros na freguesia de Calvelo, em Ponte de Lima, apurou o Porto Canal com fonte Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima.

Autarca de Barcelos regressou à Câmara mas não pode falar com funcionários

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes (PS), regressou hoje aos Paços do Concelho para governar o município presencialmente, embora esteja impedido pelo tribunal de contactar com os funcionários.

Atualizado 14-10-2019 19:55

Explosão de botija de gás destrói anexo de habitação em Vila Nova de Gaia

Um incêndio num anexo de uma habitação, em Afurada, em Vila Nova de Gaia, provocou a explosão de uma botija de gás que acabou por destruir aquela secção da habitação, ao início da tarde desta segunda-feira.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.