Info

Câmara do Porto quer reduzir em 32 ME o valor da concessão de parcómetros

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Porto, 09 jan (Lusa) -- O presidente da Câmara do Porto vai propor, na reunião de terça-feira, alterar os termos do concurso público para concessionar os parcómetros, nomeadamente mudando o valor estimado do contrato, de 171,4 para 139,7 milhões de euros.

No anexo II à proposta de Rui Moreira, intitulado "Proposta de retificação das peças do procedimento", a que a Lusa teve hoje acesso, o júri do concurso revela que "o valor económico estimado do contrato de concessão" passa a ser de 139,78 milhões de euros, numa redução de cerca de 32 milhões de euros.

Esta é uma das alterações feitas ao concurso aberto para concessionar por 12 anos o estacionamento pago na via pública devido à "lista de erros e omissões" apresentada por três concorrentes e reconhecida pelo júri do procedimento.

Na proposta, Moreira pede ao executivo que "aprove a resposta às listas de erros e omissões", a "prorrogação do prazo para apresentação de candidaturas" e que que encaminhe para a Assembleia Municipal a "retificação das peças do procedimento da concessão autorizada".

Quanto ao prazo, explica-se que a dilação deve ser feita "pelo período equivalente ao tempo decorrido desde o início do prazo para apresentação" das candidaturas até "à comunicação das retificações em causa aos interessados".

O montante especificado na redação inicial das peças do procedimento era de 171,4 milhões de euros, também "determinados exclusivamente para efeitos de avaliação da capacidade financeira dos candidatos no período de duração do contrato", esclarece o documento, a que a Lusa teve acesso.

As restantes alterações são de teor mais técnico e estão relacionadas, por exemplo, com a avaliação feita à "capacidade financeira do candidato" e com a fórmula de cálculo do valor a pagar trimestralmente pelo concedente à Câmara do Porto.

Outra das mudanças diz respeito aos lugares do "Plano de Expansão inicial": passam a ser "escolhidos entre o universo de zonas incluídas no âmbito da concessão à altura da apresentação das propostas".

A versão inicial estipulava também que seria "prevista a instalação dos parcómetros necessários para que a média não seja superior a 15 lugares concessionados por parcómetro".

A Câmara do Porto aprovou em outubro concessionar por 12 anos a gestão, exploração, manutenção e fiscalização dos cerca de 4.300 lugares públicos de estacionamento pagos existentes na via pública através de um "concurso limitado por prévia qualificação com publicidade internacional".

O "regime de concessão de serviço público" foi apresentado pela autarquia como a melhor alternativa para substituir o modelo atualmente existente, que se tem revelado "pouco eficaz no âmbito da gestão da mobilidade da cidade, uma vez que não se verificam níveis satisfatórios de rotatividade no estacionamento".

ACG // JGJ

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Operação Éter: Autarcas e ex-autarcas de 47 câmaras arguidos em investigação às lojas de turismo

O Ministério Público constituiu 74 arguidos, 59 dos quais autarcas e ex-autarcas de 47 câmaras do Norte e Centro, no processo da investigação às Lojas Interativas da Turismo do Porto e Norte, realizada no âmbito da Operação Éter.

Edifício que está a ser construído em Campanhã para um hospital privado passa a hotel sem conhecimento da Câmara

O edifício que está a ser construído em Campanhã junto ao Estádio do Dragão vai ser uma unidade hoteleira mas o projeto inicial destinava-se a um hospital privado. Uma alteração que a Câmara do Porto diz desconhecer e garante desde já que o Plano Diretor Municipal não o permite.

Vereador da autarquia de Gondomar acusado de usar meios contratados pela Câmara para limpar a sua casa

O vereador do Ambiente da Câmara Municipal de Gondomar, José Fernando da Silva Moreira, está a ser acusado pela oposição de usar uma empresa de limpeza contratada pela autarquia para fazer serviços na sua própria casa. O vereador refuta a acusação.

Atualizado 24-01-2020 11:48

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.