Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Autarca da Guarda considera atual sistema de portagens "economicamente injusto"

| País
Fonte: Agência Lusa

Guarda, 25 jul (Lusa) - O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, considerou hoje que o sistema de portagens em vigor nas duas autoestradas da região é "economicamente injusto" e é um fator de discriminação negativa.

"É economicamente injusto o sistema e o valor das portagens na A23 [autoestrada que liga Guarda-Torres Novas] e na A25 [Vilar Formoso-Aveiro]", disse o autarca eleito pela coligação PSD/CDS-PP na reunião do executivo municipal.

O tema foi abordado no período de antes da ordem do dia pelo vereador do PS, José Igreja, que apelou ao presidente para que "volte a pegar" no tema das portagens, "de modo a que o Governo volte a analisar situações tão graves" como as que ocorrem nas duas vias que servem a região.

José Igreja disse que os autarcas dos municípios servidos pelas antigas Scut (vias sem custos para o utilizador) A23 e A25 devem continuar a lutar para que as tarifas "sejam revistas ou anuladas".

Álvaro Amaro considerou que o sistema de cobrança de portagens em vigor nas duas autoestradas que servem o distrito e a cidade da Guarda é "um absurdo" e "desincentivador" para a economia.

"Estamos perante um facto de discriminação negativa para o interior, quer por parte da A25, quer em particular por parte da A23", disse, reconhecendo que "é um dissabor" a Guarda estar "no cruzamento de duas autoestradas que têm portagens das mais caras do país".

A introdução de tarifas nas ex-Scut foi, em sua opinião, uma deliberação injusta "para a economia do interior, porque é uma discriminação negativa".

"Todos os políticos falam, e bem, na discriminação positiva e aqui estamos perante uma discriminação negativa. É uma dupla penalização. O presidente da Câmara da Guarda só pode estar contra uma dupla penalização para as empresas da Guarda, em particular, e do interior em geral", afirmou.

Álvaro Amaro referiu que ainda alimentou a esperança de o Governo rever o processo este ano, mas admitiu que será difícil.

"Quando eu vejo chegar o final do mês de julho, vamos entrar em agosto, está em construção o Orçamento do Estado [para 2015], que será entregue na Assembleia [da República] no dia 15 de outubro, vou perdendo um bocadinho a esperança, mas não perco a convicção. A minha convicção mantém-se inalterável em relação a este Governo ou a qualquer outro", justificou.

O autarca explicou que o Governo nunca garantiu que iria alterar o sistema de portagens até ao fim do ano de 2014, para entrar em vigor em 2015, mas fruto da sua insistência e de outros responsáveis ficou "um pouco com a ideia de que até ao final do ano" tal pudesse acontecer.

"O que digo hoje é o que digo há quatro anos ou cinco. Eu era manifestamente contra o sistema e o valor que o Governo anterior fez, sou manifestamente contra o valor e o sistema que este Governo manteve", esclareceu.

ASR // ROC

Lusa/fim

+ notícias: País

Livre acesso a consultas revela-se um sucesso no primeiro ano em vigor

A medida que permite aos utentes serem atendidos em hospitais fora da area de residência está a completar um ano e parece ser já um sucesso. Os dados indicam que mais de 166 mil utentes do Serviço Nacional de Saúde já escolheram um hospital diferente para terem uma primeira consulta da especialidade.

Doentes com ADSE vão passar a pagar 20% pelos medicamentos

A ADSE deixou de comparticipar na totalidade os medicamentos para os doentes com esclerose múltipla. Agora os doentes terão que pagar 20 por cento dos medicamentos o que poderá ultrapassar os 200 euros mensais. A decisão apanhou de surpresa os doentes e a Associação Todos com a Esclerose Multipla já denunciou o caso.

Défice de competências de leitura principal causa de "chumbo" no 2.º ano

Um estudo sobre a retenção dos alunos no 1.º ciclo do ensino básico revela que a primeira causa de repetência no 2.º ano é o défice de competências de leitura dos alunos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS