Info

Especialista afirma que Portugal nunca fomentou a sua ligação com a China

| Economia
Fonte: Agência Lusa

Coimbra, 22 jul (Lusa) - Portugal nunca fomentou a sua ligação com a China, apesar da relação histórica com o país, afirmou hoje Carmen Mendes, organizadora da Conferência de Estudos Chineses, que decorre de quarta-feira a sábado em Coimbra e Braga.

Carmen Mendes considerou que a relação entre Portugal e a China "poderia estar bem mais consolidada", apesar de aquele país asiático ver Portugal "como uma potência histórica" e com um "passado rico".

"Não conseguimos capitalizar a ligação histórica e elevar o patamar da relação com a China", observou a especialista em estudos chineses, sublinhando que "não há um sinólogo no Ministério dos Negócios Estrangeiros" nem pessoas "a quem recorrer, em Portugal, com preparação sobre a língua e a cultura chinesas".

A docente da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra recordou que foi a partir da instituição de ensino superior que "se criou uma ligação da Europa com a China", referindo que hoje "não é suficientemente valorizado o conhecimento do mandarim e da cultura" chinesa a nível diplomático mas também económico.

Carmen Mendes disse ainda que há uma ligação maior com países africanos de língua portuguesa. Contudo, essa mesma relação está assente "em trocas comerciais".

Há um investimento "muito forte" em África por parte da China, com um retorno para os países africanos, mas a cooperação Sul-Sul "é desigual", sublinhou.

"Quando a China constrói infraestruturas em troca de recursos naturais, essas mesmas infraestruturas são benéficas para a China, porque são usados trabalhadores chineses, e promove a exportação de materiais de construção chineses", observou, referindo que um dos problemas que se observa em África, nomeadamente em Angola, é a "construção de cidades-fantasma".

Também em Moçambique e na Guiné se observa uma exploração de recursos, seja na agricultura, pescas ou madeiras, constatou.

Essa presença da China e das empresas chinesas é facilitada pela promiscuidade entre "o Partido Comunista Chinês e o tecido empresarial", com o aparelho político a intervir "quando surgem problemas".

Carmen Mendes é a organizadora da Conferência da Associação Europeia de Estudos Chineses, que decorre em Braga, na quarta e na quinta-feira, e em Coimbra, na sexta-feira e no sábado, e que vai contar com a presença de "cerca de 600 conferencistas", entre os quais diretores de centros de investigação da China, Taiwan, Hong Kong e Macau.

Em Braga, "será uma abordagem mais em torno da língua e cultura chinesas", sendo que em Coimbra a conferência pretende-se centrar sobre assuntos de política, economia, diplomacia, tendo ainda uma secção dedicada a Macau.

João Gabriel Silva, reitor da Universidade de Coimbra, irá participar na cerimónia de abertura da Conferência em Coimbra e a conferência inaugural será realizada por Ming Chan, docente da Universidade de Stanford.

JYGA // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Confirmada anulação da transferência de 476 milhões de euros para Novo Banco

O plenário do parlamento confirmou hoje a votação na especialidade da proposta orçamental do BE que anula a transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco.

Covid-19: Pais que fiquem com filhos nas vésperas dos feriados só têm faltas justificadas

Os pais que fiquem em casa com os filhos a 30 de novembro e a 07 de dezembro, devido ao encerramento das escolas, terão faltas justificadas mas perdem remuneração, a menos que os empregadores lhes concedam tolerância de ponto.

Covid-19: Restaurantes já podem pedir apoios à receita perdida nos fins de semana

Os restaurantes dos concelhos abrangidos pelo estado de emergência podem a partir de hoje pedir um apoio de 20% da receita perdida nos dois últimos fins de semana, devido às restrições impostas aos estabelecimentos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.