Info

PRR: Comissária Elisa Ferreira diz que escolhas do plano têm de ser "bem ponderadas"

| Política
Porto Canal com Lusa

Porto, 22 fev 2021 (Lusa) -- A Comissária Europeia Elisa Ferreira afirmou hoje que as escolhas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) têm de ser "bem ponderadas" e assentes numa estratégia em que a ciência e inovação têm de ter "um papel fundamental".

Elisa Ferreira, que participava hoje no 'webinar' organizado pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) para debater o PRR, defendeu que o país tem "uma oportunidade única" para reconstruir a economia e assegurar o reequilíbrio social e territorial.

"Portugal tem aqui de facto uma oportunidade única para reconstruir a economia numa perspetiva de futuro, em novas bases, mais sustentáveis, mais verdes, mais tecnológicas e é também uma oportunidade para assegurar o reequilíbrio social e territorial, reinventar de algum modo o país, corrigindo obstáculos e desequilíbrios estruturais ao desenvolvimento e competitividade de todas as suas regiões", afirmou.

A Comissária Europeia alertou que as escolhas a realizar no âmbito do PRR têm de ser "bem ponderadas" e devem assentar numa estratégia nacional onde a qualificação do capital humano, ciência, inovação e investigação "têm de ter um papel fundamental".

"Não tenhamos dúvidas, do sucesso deste esforço vai depender o futuro de Portugal e da própria União Europeia", salientou, acrescentando que o "fracasso, má utilização e desperdício não são opções".

"Teriam a agravante de reforçar os argumentos daqueles, que não são poucos, que fazem do ceticismo e descrédito a sua arma para pôr em causa a própria união europeia e a bases democráticas em que está assente a nossa prosperidade coletiva", afirmou.

Além de Elisa Ferreira, no 'webinar' Contributos do Ensino Superior para o PRR, promovido pelo CRUP, participou também o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e o coordenador do PRR, António Costa e Silva.

O PRR de Portugal, para aceder às verbas comunitárias pós-crise da covid-19, prevê 36 reformas e 77 investimentos nas áreas sociais, clima e digitalização, num total de 13,9 mil milhões de euros em subvenções.

Depois de um rascunho apresentado à Comissão Europeia em outubro passado e de um processo de conversações com Bruxelas, o Governo português colocou a versão preliminar e resumida do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) em consulta pública, até 01 de março, no qual estipula "19 componentes, que integram por sua vez 36 reformas e 77 investimentos".

O executivo justifica que, "com base no diagnóstico de necessidades e dos desafios", foram definidas três "dimensões estruturantes" de aposta - a da resiliência, da transição climática e da transição digital -, às quais serão alocados 13,9 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido das verbas europeias pós-crise.

No documento, estão também previstos 2,7 mil milhões de euros em empréstimos, mas fonte do executivo garante que "ainda não está assegurado" que Portugal irá recorrer a esta vertente do Mecanismo de Recuperação e Resiliência, o principal instrumento do novo Fundo de Recuperação da União Europeia.

Previsto está que a maior fatia (61%) das verbas do PRR se destine à área da resiliência, num total de 8,5 mil milhões de euros em subvenções e de 2,4 mil milhões de euros em empréstimos.

 

SPYC // ZO

Lusa/Fim.

+ notícias: Política

Autarcas independentes exigem alterações à lei eleitoral até 31 de março

Autarcas eleitos por movimentos independentes exigiram hoje que, até 31 de março, seja feita "a alteração das inconstitucionalidades" provocadas pelas modificações introduzidas em 2020, pelo PS e PSD, na lei eleitoral autárquica.

Covid-19: Governo apresenta plano de desconfinamento a 11 de março

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que o Governo apresentará no dia 11 de março o plano de desconfinamento, adiantando que será gradual em termos de abertura de atividades.

"Este infelizmente não é ainda o tempo do desconfinamento" - Costa

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que "este, infelizmente, não é ainda o tempo do desconfinamento", motivo pelo qual o Governo aprovou o decreto regulamentar do estado de emergência sem qualquer alteração.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m