Info

Sindicato dos inspetores do SEF exige demissão do ministro da Administração Interna

Sindicato dos inspetores do SEF exige demissão do ministro da Administração Interna
| Política
Porto Canal com Lusa

O sindicato que representa os inspetores do SEF pediu hoje a demissão do ministro da Administração Interna, acusando-o de mentir na Assembleia da República sobre o papel da PSP e da GNR no controlo de fronteiras.

Em comunicado, o Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF/SEF) exige que Eduardo Cabrita seja "demitido imediatamente de ministro da Administração Interna por ter mentido" na quarta-feira na Assembleia da República quando afirmou que a GNR e a PSP estavam a fazer controlo de fronteiras.

Para o sindicato, "as mentiras" de Eduardo Cabrita e "sobretudo a intenção de extinguir o SEF" são motivadas para "evitar a sua própria demissão".

"Nunca a permanência de um ministro em funções fez tanto mal à segurança de um país, ao controlo de fronteiras e ao prestígio do Estado português como a fuga para a frente que Eduardo Cabrita está a fazer desde novembro", disse à Lusa o presidente do SCIF/SEF, Acácio Pereira.

O sindicalista considera que Eduardo Cabrita quer extinguir o SEF "apenas para esconder o facto de não ter feito nada nos oito meses que se seguiram" à morte de um cidadão ucraniano no aeroporto de Lisboa.

"O SEF e o país estão a pagar a fatura de Eduardo Cabrita não ter feito nada, absolutamente nada, durante oito meses para corrigir a falta de investimento do SEF depois da morte do cidadão ucraniano no aeroporto de Lisboa em março de 2020", precisou.

O sindicato sublinha que "a linha vermelha foi passada na quarta-feira, na comissão parlamentar dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, quando o ministro afirmou que a PSP e a GNR estavam atualmente a fazer o controlo de fronteiras.

Segundo os inspetores, a GNR e a PSP estão presentes como habitualmente nas fronteiras, portos e aeroportos com as suas funções próprias, mas "nada disso tem a ver com o controlo de fronteiras assegurado pelos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras".

"É mentira que a Polícia de Segurança Pública ou a Guarda Nacional Republicana partilhem atualmente as competências de controlo das fronteiras aéreas e terrestres com o SEF", afirmou Acácio Pereira, frisando que "esta é uma competência exclusiva do SEF, cabendo à PSP e GNR cooperar, como sempre fizeram".

O sindicato que representa aquele serviço de segurança chama também a atenção para a forma como o ministro, na mesma audição, se desmentiu a si próprio e retirou qualquer razão para a transferência de competências policiais do SEF para a outras polícias ao afirmar que o SEF "esteve ligado ao melhor da resposta pública dos últimos meses".

"Eduardo Cabrita é hoje um ministro à deriva que na mesma manhã elogia o SEF e diz que quer acabar com ele", sustenta o mesmo responsável.

Na quarta-feira, o ministro da Administração Interna recusou que a reestruturação do SEF esteja relacionada com a morte de um cidadão ucraniano nas instalações daquele serviço de segurança no aeroporto de Lisboa em março de 2020, sustentando que a reforma já estava prevista no programa do Governo.

Eduardo Cabrita especificou que a reestruturação do SEF passa pela "separação orgânica muito clara" entre as funções policiais e a área de autorização de documentação e de apoio aos imigrantes.

Segundo o ministro, as funções policiais do SEF vão ser distribuídas pela GNR, PSP e Polícia Judiciária.

O PSD e o CDS/PP também pediram a demissão de Eduardo Cabrita.

O julgamento dos três inspetores do SEF acusados de matar o cidadão ucraniano Ihor Homeniuk está a decorrer em Lisboa, estando os arguidos em prisão domiciliária desde a sua detenção em 30 de março de 2020.

Os três inspetores do SEF são acusados de terem matado à pancada o cidadão ucraniano, numa situação que configura homicídio qualificado, crime punível com pena de prisão até 25 anos de prisão.

+ notícias: Política

Autarcas independentes exigem alterações à lei eleitoral até 31 de março

Autarcas eleitos por movimentos independentes exigiram hoje que, até 31 de março, seja feita "a alteração das inconstitucionalidades" provocadas pelas modificações introduzidas em 2020, pelo PS e PSD, na lei eleitoral autárquica.

Covid-19: Governo apresenta plano de desconfinamento a 11 de março

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que o Governo apresentará no dia 11 de março o plano de desconfinamento, adiantando que será gradual em termos de abertura de atividades.

"Este infelizmente não é ainda o tempo do desconfinamento" - Costa

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que "este, infelizmente, não é ainda o tempo do desconfinamento", motivo pelo qual o Governo aprovou o decreto regulamentar do estado de emergência sem qualquer alteração.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m