Info

Autárquicas: Rio garante que não está "agarrado ao lugar" e critica Rui Moreira e Carreiras

| Política
Porto Canal com Lusa

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que assumirá a responsabilidade pelo resultado das autárquicas, sem apontar "um número mágico" de câmaras a vencer, e garantiu que não está "agarrado ao lugar".

Em entrevista à rádio Observador, Rio, que completa hoje três anos como presidente do PSD, acusou o atual presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, de não ser "uma pessoa confiável e ter "interesses imobiliários" na cidade incompatíveis com a função, e criticou duramente o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, de quem disse ter sido "o principal responsável" pela "desgraça" do resultado das eleições locais de 2017, em que foi o coordenador autárquico.

Questionado em concreto como via a possibilidade de o eurodeputado Paulo Rangel estar a preparar uma candidatura à liderança do PSD - e por isso ter recusado disputar a Câmara do Porto -, Rio disse querer deixar uma mensagem "geral", afirmando não estar a dirigir-se em concreto ao antigo líder parlamentar do PSD.

"As pessoas que olham para mim há muitos anos escusam de preparar o que quer que seja a seguir às autárquicas. Eu sei assumir as minhas responsabilidades. Se eu vir que correu mal, fico aqui a fazer o quê?", questionou.

No entanto, o presidente do PSD recusou apontar um "número mágico" de câmaras que o partido terá de ganhar para considerar que teve um bom resultado, salientando que tal dependerá também da importância das câmaras que ganhar ou perder.

"Quero chegar a outubro (ou dezembro) e dezembro e ter mais presidentes de câmara e acima de tudo muitos mais eleitos, foi aí que levámos uma tareia e isso é o mais importante para o partido", afirmou.

Sobre nomes concretos, o presidente do PSD não se comprometeu com nenhum (só a partir de 01 de março vão começar a ser anunciados), mas admitiu que o deputado e médico Ricardo Baptista Leite "encaixa bem" no perfil que se pretende para Lisboa, mas que "há outros" que também considera enquadrar-se, como Filipa Roseta, afastando a possibilidade de o cabeça de lista poder ser do CDS-PP, caso avance uma coligação com este partido na capital.

Para o Porto, Rio foi questionado sobre a possibilidade de o candidato do PSD ser Vladimiro Feliz, seu antigo vice-presidente nessa autarquia, hipótese que não afastou, mas dizendo "ser suspeito" na sua avaliação por só poder "dizer bem" do seu nome.

Pelo contrário, Rui Rio foi muito crítico em relação a Rui Moreira, afastando completamente a possibilidade de o PSD poder vir a apoiar a sua candidatura, até depois de ter sido noticiado pelo Expresso um jantar que envolveu dirigentes sociais-democratas.

"É alguém que tem um jantar, que é privado, que o mete em público e com uma mentira com o que lá se passou, que tinha sido convidado para ser candidato pelo PSD. Não é uma pessoa confiável", considerou.

Segundo Rio, Rui Moreira propôs aos sociais-democratas que não apresentassem candidato no Porto e integrar na sua lista pessoas do PSD, o que foi recusado pelo partido.

"Nós contrapusemos o contrário: o senhor não se candidata e nós ouvimo-lo na escolha do candidato à Câmara do Porto, e ele disse que não", disse.

Rio rejeitou que o PSD esteja atrasado em relação à escolha dos candidatos autárquicos, dizendo que "nada" está a falhar no processo, rejeitando críticas como as que já foram feitas publicamente pelo atual presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, que disse que o processo autárquico no partido "é uma inexistência".

"Esse é o pior, o mais incompetente, sendo ele o primeiro responsável pela desgraça de 2017, acha que tenho alguma coisa a aprender?", ironizou, embora admitindo que Carreiras volte a ser o candidato do partido em Cascais "se for proposto pela concelhia e aceite pela distrital".

Numa entrevista centrada em grande parte nas autárquicas, Rio afastou a possibilidade de Isaltino Morais ser candidato pelo PSD e quase em absoluto a hipótese de ter o apoio do partido em Oeiras e também rejeitou que possa 'impor' o nome do ex-líder social-democrata Pedro Santana Lopes em qualquer câmara, dizendo que este só será candidato se existir vontade das duas partes em algum município.

Rio voltou a excluir qualquer coligação pré-eleitoral com o Chega, mas disse nada poder fazer se, após as eleições, algum eleito do PSD decidir fazer acordos com o partido liderado por André Ventura.

"Poderei aconselhar que não, mas não tenho poder nenhum, as pessoas depois de eleitas fazem como querem, vale p mim e demais partidos", disse.

Sobre a intenção anunciada pelo PS de apresentar um projeto de alteração à lei eleitoral para as autarquias no sentido de corrigir as condições para a apresentação de candidaturas independentes, Rio lamentou a atitude geral - "o PS à mínima contestação recua" -, mas não afastou a possibilidade ajustes a este diploma em concreto.

"Tenho de entender as críticas que estão em causa por parte dos independentes. Se forem justas, então acho que se tem de olhar, se não forem justas não", disse.

+ notícias: Política

Autarcas independentes exigem alterações à lei eleitoral até 31 de março

Autarcas eleitos por movimentos independentes exigiram hoje que, até 31 de março, seja feita "a alteração das inconstitucionalidades" provocadas pelas modificações introduzidas em 2020, pelo PS e PSD, na lei eleitoral autárquica.

Covid-19: Governo apresenta plano de desconfinamento a 11 de março

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que o Governo apresentará no dia 11 de março o plano de desconfinamento, adiantando que será gradual em termos de abertura de atividades.

"Este infelizmente não é ainda o tempo do desconfinamento" - Costa

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que "este, infelizmente, não é ainda o tempo do desconfinamento", motivo pelo qual o Governo aprovou o decreto regulamentar do estado de emergência sem qualquer alteração.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m