Info

Novo Banco: António Ramalho reconduzido para novo mandato até 2024

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 out 2020 (Lusa) - António Ramalho foi hoje reconduzido para um novo mandato como presidente do Conselho de Administração Executivo do Novo Banco, que passa a integrar Andrés Baltar, em substituição de Vítor Fernandes, foi anunciado.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Novo Banco anuncia que o Conselho Geral e de Supervisão nomeou, como membros do Conselho de Administração Executivo para o quadriénio 2021-2024, e sujeito à autorização das entidades reguladoras competentes: António Ramalho - como CEO -, Luis Ribeiro - Chief Commercial Officer (Retail), Luísa Soares da Silva - Chief Legal and Compliance Officer, Mark Bourke - Chief Financial Officer, Rui Fontes - Chief Risk Officer e Andrés Baltar Garcia - Chief Commercial Officer (Corporate).

O Novo Banco informa ainda que "os membros do Conselho de Administração Executivo, Jorge Freire Cardoso, José Eduardo Bettencourt e Vítor Fernandes, apresentaram a sua renúncia ao respetivo cargo, com efeitos a 30 de novembro de 2020, e que, em substituição de Vítor Fernandes, foi nomeado pelo Conselho Geral e de Supervisão, como membro do Conselho de Administração Executivo durante o mandato em curso, Andrés Baltar Garcia".

Esta nomeação fica sujeita à autorização das entidades reguladoras competentes, refere o comunicado ao mercado.

JNM // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Consumo de eletricidade por causa do frio bate recorde diário com 11 anos

O consumo de eletricidade bateu na quarta-feira o recorde diário de 11 anos e o de gás natural ultrapassou o máximo de 2017, segundo dados da REN - Redes Energéticas Nacionais hoje divulgados.

Comerciantes dizem que há outras formas de controlar a pandemia com lojas abertas

Comerciantes dizem que há outras formas de controlar a pandemia com lojas abertas

Supermercados não vão poder vender livros, roupa nem objetos de decoração

Os supermercados e hipermercados vão ficar impedidos a partir da próxima semana de vender artigos não alimentares, como roupa, livros e objetos de decoração, disse hoje o ministro de Estado e da Economia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.