Info

Missão da CEDEAO pede "esforços consideráveis" para eleições pacíficas na Costa do Marfim

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Abuja, 19 out 2020 (Lusa) -- A missão diplomática da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) pediu hoje ao Governo e oposição da Costa do Marfim "esforços consideráveis" para que a eleição presidencial de 31 de outubro seja pacífica.

A missão da organização regional africana reuniu-se no domingo e hoje com Governo e oposição e "instou os candidatos e os partidos políticos a fazerem esforços consideráveis para chegar a um acordo sobre as eleições", refere uma declaração lida à comunicação social, citada pela agência France-Presse (AFP).

A missão, liderada pela ministra dos Negócios Estrangeiros do Gana, Shirley Botchway, pediu também aos candidatos do Partido Democrático da Costa do Marfim (PDCI, em francês) e da Frente Popular da Costa do Marfim (FPI, em francês) a "reconsiderarem seriamente a sua decisão de boicotar as eleições e o apelo feito aos seus apoiantes para que se empenhassem na desobediência civil" em protestos contra o processo eleitoral.

Após o encontro com o Presidente costa-marfinense, Alassane Ouattara, que se candidata a um controverso terceiro mandato, com o primeiro-ministro, Hamed Bakayoko, e com os candidatos da oposição Henri Konan Bédié (PDCI) e Pascal Affi N'Guessan (líder de uma ala do FPI), a missão diz ter notado uma "persistência de pontos de divergência no processo eleitoral", assim como uma "desconfiança dos candidatos e atores políticos em dialogar", acrescenta a AFP.

A missão, realizada duas semanas antes das eleições presidenciais na Costa do Marfim, aconteceu depois de episódios de agitação civil que provocaram pelo menos três mortes nos últimos três dias.

A oposição tem lançado a possibilidade de um boicote às eleições presidenciais, pedindo uma reforma do Conselho Constitucional e da Comissão Eleitoral Independente, que acusa de serem "subservientes" ao Governo.

Em 15 de outubro, a oposição apelou para uma campanha de "desobediência civil" e a um boicote das "operações eleitorais".

Para os opositores de Ouattara, este não tem direito a candidatar-se a um terceiro mandato.

Eleito para a Presidência em 2010, quando substituiu Laurent Gbagbo, e reeleito em 2015, Ouattara tinha anunciado em março que não iria procurar um terceiro mandato, acabando por mudar de ideias após a morte do seu delfim, o primeiro-ministro Amadou Gon Coulibaly, em 08 de julho deste ano.

A Constituição da Costa do Marfim prevê um máximo de dois mandatos, mas o Conselho Constitucional decidiu que, com a aprovação de uma nova versão do texto fundamental do país, em 2016, o número de mandatos de Ouattara foi reposto a zero, algo contestado pela oposição.

Na Costa do Marfim paira um receio de uma repetição de mortais episódios de violência, à semelhança do que aconteceu após as eleições presidenciais de 2010.

Estima-se que 3.000 pessoas tenham morrido devido à recusa de Laurent Gbagbo em admitir a derrota face a Ouattara.

A violência que se seguiu ao anúncio da participação de Ouattara nas eleições de outubro, em agosto, resultou na morte de pelo menos 15 pessoas na Costa do Marfim.

A CEDEAO é composta por Benim, Burkina Faso, Cabo Verde, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné-Bissau, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa e Togo.

JYO // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: Rússia anuncia eficácia de 95% da vacina Sputnik V

A Rússia anunciou hoje que sua vacina Sputnik V contra a covid-19, desenvolvida pelo Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya em Moscovo, tem uma eficácia de 95% eficaz, segundo resultados preliminares.

Entidade europeia alerta que países que retirem medidas do Covid-19 para o Natal terão aumento de internamentos em janeiro

O Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que se os países que em outubro e novembro tomaram novas medidas para controlar a pandemia as levantassem a 21 de dezembro, os internamentos hospitalares aumentariam na primeira semana de janeiro.

Covid-19: Vacina da AstraZenca/Oxford tem eficácia de 70%

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório britânico AstraZeneca e pela Universidade de Oxford tem uma eficácia média de 70%, segundo um comunicado hoje divulgado.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.