Info

Covid-19: Governo britânico lança aplicação móvel com quatro meses de atraso

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Londres, 24 set 2020 (Lusa) - O governo britânico lançou hoje em Inglaterra e no País de Gales uma aplicação de rastreio para telemóvel destinada a ajudar no combate à pandemia covid-19, quatro meses após a data inicialmente planeada.

"Estamos num ponto crítico dos nossos esforços para controlar a propagação deste vírus. Com o aumento das taxas de infeção, devemos usar todas as ferramentas à nossa disposição para prevenir a transmissão, incluindo a tecnologia mais recente", afirmou o ministro da Saúde, Matt Hancock. 

Depois de tentar desenvolver a sua própria aplicação a nível nacional, entregando o desenvolvimento à unidade digital do serviço público de saúde (NHS), o Governo britânico recuou em meados de junho e abandonou o modelo de informação centralizada para adotar uma solução descentralizada privilegiada pelas plataformas Google e Apple, que dominam o mercado dos telemóveis 'smartphones'.

A NHS COVID-19, baseada na tecnologia 'bluetooth', alertará os utilizadores se eles passarem 15 minutos ou mais a dois metros de outro utilizador que posteriormente tenha testado positivo. 

A aplicação também facilita o registo junto de estabelecimentos como bares e restaurantes com os dados pessoais, que passou a ser obrigatório, através de um leitor de códigos QR, e vai providenciar informação sobre o nível de risco na respetiva área de residência.

Além de inglês, a aplicação está disponível em várias línguas, como árabe, gujarati, punjabi, mandarim, turco, urdu e romeno, estando em desenvolvimento também versões em somali e polaco, idiomas de algumas comunidades étnicas particularmente afetadas pela pandemia e a quem as autoridades consideram importante chegar. 

Irlanda do Norte e Escócia lançaram a sua própria aplicação no final de julho e início de setembro, respetivamente.

Christophe Fraser, professor da Universidade de Oxford e assessor científico do programa de rastreamento, disse ser "possível reduzir significativamente o número de casos de novo coronavírus, hospitalizações e mortes se apenas 15% da população descarregar a aplicação e seguir os conselhos de isolamento".

O Reino Unido é o país com maior número de mortos de covid-19 na Europa, 41.862 registados oficialmente até quarta-feira, embora o balanço real, incluindo os casos suspeitos atribuídos ao coronavírus, ultrapasse os 57 mil óbitos. 

Na quarta-feira, o ministério da Saúde contabilizou 6.178 novas infeções, um recorde diário desde 01 de maio.

Para evitar um novo confinamento, o primeiro-ministro, Boris Johnson, anunciou na terça-feira restrições mais apertadas em Inglaterra, ao recomendar novamente o teletrabalho e impondo o encerramento às 22:00 horas de bares e restaurantes.

BM // FPA 

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: Erro de fabrico levanta questões sobre testes com vacina da AstraZeneca/Oxford

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford reconheceram hoje um erro de fabrico que está a levantar questões sobre os resultados preliminares e a eficácia da sua vacina experimental contra a covid-19.

Covid-19: Rússia anuncia eficácia de 95% da vacina Sputnik V

A Rússia anunciou hoje que sua vacina Sputnik V contra a covid-19, desenvolvida pelo Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya em Moscovo, tem uma eficácia de 95% eficaz, segundo resultados preliminares.

Entidade europeia alerta que países que retirem medidas do Covid-19 para o Natal terão aumento de internamentos em janeiro

O Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que se os países que em outubro e novembro tomaram novas medidas para controlar a pandemia as levantassem a 21 de dezembro, os internamentos hospitalares aumentariam na primeira semana de janeiro.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Exposição 'A Arte do Falso'

D'Mais

Upcycling Project - suporte para facas