Info

Covid-19: Israel com confinamento mais rigoroso face ao aumento de casos

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Jerusalém, 24 set 2020 (Lusa) -- O Governo israelita decidiu hoje tornar mais rigoroso o confinamento em vigor há perto de uma semana no país devido ao aumento contínuo do número de pessoas infetadas com o novo coronavírus.

A partir das 14:00 locais (12:00 em Lisboa) de sexta-feira, as sinagogas serão encerradas, exceto para as celebrações do Yom Kipur (Dia do Perdão, celebrado no domingo à noite e na segunda-feira), apenas os setores considerados "essenciais" poderão continuar a laborar e as manifestações e orações no exterior estão limitadas a 20 pessoas, que deverão estar a menos de um quilómetro do seu domicílio.

Estas medidas, que devem durar pelo menos duas semanas, terão de ser validadas pelo parlamento ainda hoje e as autoridades devem igualmente pronunciar-se sobre o encerramento do aeroporto internacional Ben Gurion de Telavive.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, afirmou na quarta-feira à noite que era necessário tomar "decisões difíceis para salvar vidas".

"Nos últimos dois dias ouvimos especialistas dizerem que se não tomarmos medidas imediatas e estritas cairemos num abismo", declarou antes do início da reunião do Governo.

Israel é um dos países com a maior taxa de contaminação por coronavírus nas últimas semanas. Na quarta-feira foram registados 6.808 casos de covid-19.

O Ministério das Finanças alertou, no entanto, que as medidas eram desastrosas para a economia do país, onde a taxa de desemprego disparou nos últimos meses.

Os opositores do primeiro-ministro acusaram-no de tornar o confinamento mais rigoroso para enfraquecer as manifestações semanais diante da sua residência em Jerusalém, que criticam também a sua gestão da pandemia.

O partido de direita radical Yamina, que em recentes sondagens ocupa o segundo lugar, considerou as novas medidas "destrutivas e irracionais".

"Por causa das manifestações, (as autoridades) empurram centenas de milhares de pessoas para o desemprego e destroem a economia", declarou num comunicado Ayelet Shaked, deputada do Yamina, afirmando ir tentar modificar as medidas no parlamento.

Israel, com quase nove milhões de habitantes, já registou mais de 200.000 infetados desde o início da pandemia, incluindo 1.335 mortos.

O país tem atualmente mais de 50.000 casos ativos.

A pandemia de covid-19, transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro na China, já provocou pelo menos 971.677 mortos e mais de 31,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço da agência France Presse.

 

PAL // FPA

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: Erro de fabrico levanta questões sobre testes com vacina da AstraZeneca/Oxford

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford reconheceram hoje um erro de fabrico que está a levantar questões sobre os resultados preliminares e a eficácia da sua vacina experimental contra a covid-19.

Covid-19: Rússia anuncia eficácia de 95% da vacina Sputnik V

A Rússia anunciou hoje que sua vacina Sputnik V contra a covid-19, desenvolvida pelo Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya em Moscovo, tem uma eficácia de 95% eficaz, segundo resultados preliminares.

Entidade europeia alerta que países que retirem medidas do Covid-19 para o Natal terão aumento de internamentos em janeiro

O Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que se os países que em outubro e novembro tomaram novas medidas para controlar a pandemia as levantassem a 21 de dezembro, os internamentos hospitalares aumentariam na primeira semana de janeiro.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Exposição 'A Arte do Falso'

D'Mais

Upcycling Project - suporte para facas