Info

Autarquia afirma que Segurança Social garante funcionários para lar ilegal com surto de Covid-19 em Gondomar

Autarquia afirma que Segurança Social garante funcionários para lar ilegal com surto de Covid-19 em Gondomar
| Norte
Porto Canal com Lusa

A Segurança Social (SS) vai contratar funcionários para dar apoio ao lar ilegal localizado Gondomar, onde 21 utentes e oito funcionários testaram positivo à covid-19, revelou hoje o presidente da câmara.

Em declarações à agência Lusa, Marco Martins revelou ter o compromisso da SS de que está em curso "através da rede da Cruz Vermelha [Portuguesa] a contratação seis funcionários para o lar".

O autarca acrescentou que os responsáveis pela residência sénior onde já foi registado um óbito devido ao novo coronavírus e onde 21 idosos e oito funcionários testaram positivo "também já contactaram empresas de trabalho temporário" e que "o Centro de Emprego está a fazer um esforço muito grande".

"Esta manhã a SS garantiu à câmara de Gondomar que iria assumir no imediato a contratação de pessoal para cuidar dos idosos e temos conhecimento de outros esforços. Mas é muito difícil porque não existem pessoas disponíveis. O lar também já conseguiu resolver a situação das refeições e do serviço de lavandaria, contratando fora", descreveu Marco Martins.

O autarca considerou a situação "estabilizada" e garantiu que "a autarquia tem estado a par do estado de saúde dos idosos", apontando saber que estes se têm mantido "estáveis" e "sem qualquer agravamento".

De acordo com a câmara, os idosos mantêm-se na habitação, estando isolados e separados por "utentes infetados" e "utentes não infetados", uma vez que foi considerado pela delegação de saúde de Gondomar que "o regresso às famílias poderia gerar maiores riscos de contágio".

Marco Martins também avançou que a de delegação de saúde "já contactou e está a acompanhar os funcionários do lar, tendo criado condições para que cumpram isolamento profilático".

Vinte e um utentes e oito funcionários do lar Paródias e Ternuras, em Gondomar, testaram positivo à covid-19 depois de na sexta-feira à noite ter sido detetado o surto, havendo mais nove utentes que testaram negativo.

Um idoso de 90 anos, que fazia hemodiálise e que faleceu na semana passada, terá estado na origem do surto de covid-19.

Na terça-feira Marco Martins informou ter reunido durante a tarde com "o Serviço Municipal de Proteção Civil, direção do lar, Segurança Social e com a delegação de saúde de Gondomar para definir estratégias e procedimentos".

"A direção do lar deu-nos nota de que já tinha feito a separação física dos positivos e dos negativos, tendo a câmara agilizado contactos entre o Centro de Emprego e o lar para tentar substituir o mais depressa possível os funcionários infetados", disse o autarca.

Marco Martins disse não ter recebido indicação da direção do lar de "sobrelotação", mas a garantia de "que fez a separação dos positivos dos negativos".

"O lar indicou-nos que tem o seu processo de licenciamento em curso", acrescentou de um equipamento que até à morte do idoso tinha 30 utentes.

A Lusa, no local, tentou uma reação dos proprietários do lar, mas não foi possível.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 936 mil mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.878 em Portugal.

+ notícias: Norte

Lar do concelho de Vimioso regista 37 casos positivos de Covid-19

Vinte e oito utentes e nove funcionários do lar de Carção, Vimioso, tiveram resultados positivos para a covid-19 nos testes realizados após a doença ter sido detetada num idoso que morreu na sexta-feira, adiantou hoje o autarca local.

ARS-N admite saldar em breve dívida de 100 mil euros aos bombeiros do distrito do Porto

A Administração Regional de Saúde (ARS) Norte admitiu hoje à Lusa pagar nos próximos dias a dívida de 100 mil euros pelo transporte de doentes reclamada pela Federação dos Bombeiros do Distrito do Porto.

Associação acusa Proteção Civil de má gestão dos processos disciplinares de bombeiros

O presidente da Fénix - Associação Nacional de Bombeiros e Agentes da Proteção Civil (ANBAPC) disse hoje à Lusa que a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) é "inoperante" na gestão dos processos disciplinares aos soldados da paz.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.