Info

Hong Kong: Deputados britânicos pedem sanções a Carrie Lam

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Londres, 04 ago 2020 (Lusa) -- Os legisladores britânicos pediram hoje ao Governo do Reino Unido para sancionar a líder de Hong Kong por permitir "violência policial excessiva" contra trabalhadores humanitários que tentaram ajudar os manifestantes feridos durante os protestos pró-democracia.

Um relatório sobre Hong Kong dos membros do grupo parlamentar bipartidário All Party disse que os trabalhadores de primeiros socorros, médicos e enfermeiras foram sujeitos a intimidações, ameaças, violência física e detenções durante os meses de confrontos entre a polícia e os manifestantes que começaram no ano passado na cidade semiautónoma chinesa.

"O tratamento da polícia de Hong Kong aos trabalhadores humanitários e a interferência dentro dos hospitais resultaram em manifestantes feridos que não receberam cuidados médicos necessários na altura ou [que não receberam] de todo", pode ler-se no documento.

O legislador Alistair Carmichael, que copreside o grupo parlamentar, disse que a violência não partiu de "alguns polícias desonestos", mas sim de uma mudança de política "claramente sistemática e bastante deliberada" que se alinhava mais ao policiamento na China continental.

Os autores do relatório disseram que tiraram as conclusões depois de receberem mais de 1.000 testemunhos escritos e ouvirem muitos relatos de testemunhas em primeira mão, tendo pedido ao Reino Unido para impor urgentemente sanções à líder de Hong Kong, Carrie Lam, e ao comissário da polícia da cidade.

Hong Kong viveu no ano passado protestos violentos contra uma lei que permitiria a extradição de suspeitos para a China, protesto que se transformou num movimento muito mais amplo que pedia a reforma democrática e o fim da brutalidade policial.

Embora a lei de extradição tenha sido retirada posteriormente, as manifestações duraram meses. O uso de gás lacrimogéneo, gás pimenta e balas de borracha por parte da polícia para dispersar manifestantes tornou-se uma ocorrência comum.

Pequim impôs uma nova lei de segurança nacional abrangente em Hong Kong no mês passado, levantando preocupações generalizadas de que o governo chinês esteja a reprimir os protestos antigovernamentais.

Hong Kong tem há muito desfrutado de liberdades civis que não são vistas na China continental porque é governada sob o princípio de "um país, dois sistemas" desde que a ex-colónia britânica voltou ao domínio chinês em 1997.

AXYG // FPA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Pfizer atrasa entrega de vacinas na Europa para melhorar produção

O laboratório norte-americano Pfizer advertiu hoje para uma quebra "a partir da próxima semana" nas entregas das vacinas anti-covid na Europa, com vista a melhorar a sua capacidade de produção, anunciaram hoje as autoridades norueguesas.

Itália: PM Conte recebe voto de confiança dos deputados

Roma, 18 jan 2021 (Lusa) -- O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, obteve hoje a confiança dos deputados para se manter no governo, depois da demissão de duas ministras do partido Itália Viva (IV) ter aberto uma crise política, deixando o governante sem maioria no Senado.

PR de Cabo Verde confiante na assinatura de acordo de mobilidade no espaço CPLP em junho

Bissau, 18 jan 2021 (Lusa) - O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, disse hoje em Bissau que está confiante que o acordo de mobilidade de cidadãos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) deverá ser assinado em junho, em Luanda, Angola.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.