ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Cinco bombeiros com ferimentos ligeiros no combate ao fogo em Chaves

Cinco bombeiros com ferimentos ligeiros no combate ao fogo em Chaves
| Norte
Porto Canal com Lusa

Cinco bombeiros ficaram com ferimentos ligeiros durante o combate ao incêndio que deflagrou hoje à tarde em Vila Verde da Raia, disse o presidente da Câmara de Chaves.

De acordo com Nuno Vaz, um bombeiro apresenta queimaduras de segundo e terceiro graus, outro sofreu uma queda e três tiveram inalação de fumos.

Depois de terem sido assistidos, os cinco bombeiros já se encontram em casa.

Para o combate a este fogo foram mobilizados cerca de 300 operacionais.

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Chaves, o incêndio teve “quatro ignições com algum afastamento entre elas” e, apesar de ter sido combatido com bastante intensidade no início, não foi possível contê-lo, tendo progredido em direção às localidades de Vila Frade, Santo António de Monforte, Mairos, Travancas e chegou a Argemil da Raia.

Nuno Vaz disse que se espera que, “com o cair da noite e a diminuição da temperatura e da intensidade do vento e de colocação de mais meios, nomeadamente três máquinas de rasto, se possa conter e depois eliminar o incêndio”.

Fogo de Chaves já queimou "centenas de hectares"

O incêndio que deflagrou hoje em Vila Verde da Raia queimou “centenas de hectares” de pinhal, mato, culturas agrícolas, alguns armazéns agrícolas, instalações de animais e provocou ferimentos num bombeiro, disse o presidente da Câmara de Chaves.

O fogo deflagrou pelas 13:30 perto da aldeia raiana de Vila Verde da Raia e, pelas 21:00, estava a ser combatido por 252 operacionais e 83 viaturas.

Ainda sem poder precisar a área afetada, o presidente Nuno Vaz estima que tenham ardido “centenas de hectares” sobretudo de mato e pinhal.

“Houve alguns anexos, armazéns e pequenas instalações de animais que também foram consumidas pelo incêndio. Não temos registo e de nenhuma habitação que tenha sido tomada pelo incêndio mas a verdade é que teve danos ambientais, patrimoniais, em culturas agrícolas como palhas, fenos, estábulos e alguns animais”, referiu.

O “verdadeiro impacto” do fogo só poderá ser feito após a extinção.

“Mas, podemos dizer que, em diferentes momentos, estiveram em grave risco muitas habitações e temos que deixar uma palavra de agradecimento ao comando e a todas as corporações de bombeiros envolvidas nesta ação”, frisou.

Nuno Vaz referiu ainda que um bombeiro da corporação de Vidago (Chaves) sofreu queimaduras durante o combate e foi transportado para avaliação numa unidade hospitalar.

O autarca disse que foram preparados meios da Proteção Civil Municipal, como carrinhas e um autocarro, para a evacuação de casas, o que não chegou a acontecer.

O incêndio teve, segundo o presidente, “quatro ignições com algum afastamento entre elas” e apesar “de ter sido combatido com bastante intensidade no início, com cerca de 70 bombeiros, não foi possível contê-lo e progrediu em direção às localidades de Vila Frade, Santo António de Monforte, Mairos, Travancas e chegou a Argemil da Raia”.

“Foi um fogo que progrediu com muita intensidade, fruto da temperatura muito elevada e do vento forte, e fez cerca de 15 a 20 quilómetros em linha reta”, referiu.

Nas primeiras horas a preocupação dos operacionais, de acordo com Nuno Vaz, “concentrou-se muito na proteção do perímetro das zonas habitacionais”.

“Os meios foram mobilizados sobretudo para proteger as habitações e as vidas humanas. Neste momento, não há nenhuma aldeia em perigo e os meios já estão concentrados no combate ao incêndio propriamente dito”, salientou.

Nuno Vaz disse que se espera que, “com o cair da noite e a diminuição da temperatura e da intensidade do vento e de colocação de mais meios no terreno, nomeadamente três máquinas de rasto, se possa conter e depois eliminar o incêndio.

Durante a tarde, chegaram a estar nove meios aéreos no combate ao fogo.

 

+ notícias: Norte

GNR registou 800 incêndios até domingo nos quatro concelhos mais afetados do distrito Porto

O comando territorial do Porto da GNR informou hoje ter registado, desde 01 de janeiro, cerca de 800 ocorrências de incêndio nos concelhos de Paredes, Felgueiras, Valongo e Santo Tirso, os mais afetados no distrito do Porto.

Homem de 40 anos detido em flagrante por violência doméstica em Melgaço

 

Um homem de 40 anos foi detido pela GNR, esta terça-feira, em flagrante por violência doméstica, no concelho de Melgaço, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.