ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Movimento cívico quer comissão independente a supervisionar Águas de Gondomar

Movimento cívico quer comissão independente a supervisionar Águas de Gondomar
| Norte
Porto Canal com Lusa

O movimento cívico criado em Gondomar para acabar com a privatização da água, reúne-se na quinta-feira com a Câmara Municipal, a quem vai propor constituir uma comissão independente de supervisão da gestão da empresa concessionada.

A insatisfação pelo preço da água no município pela Águas de Gondomar, a quem em 2001 foi concessionada por um prazo de 30 anos a gestão daquele bem público, ditaram a constituição do Movimento Cívico em Defesa dos Interesses dos Consumidores das Águas de Gondomar que "nas últimas semanas reuniu-se com vários partidos" e a quem expôs as suas soluções, disse à Lusa, o porta-voz Miguel Azevedo.

"Já falámos com a CDU, CDS, BE e com o PS e de todos nos pareceu haver disponibilidade para se encontrar uma solução pelo menos até terminar a concessão", disse o representante do movimento.

E prosseguiu: "todos com quem falámos concordaram que o tarifário é alto e que, por isso, as nossas propostas fazem todo o sentido, ressalvando sempre a dificuldade que é reverter a concessão das águas" pela autarquia liderada pelo socialista Marco Martins.

No panorama político de Gondomar, ressalvou Miguel Azevedo, "falta reunir com o PSD e com o independente Valentim Loureiro", sendo que dos social-democratas, sublinhou, receberam a vontade de "reunir ainda esta semana" com o movimento.

Dessas reuniões, Miguel Azevedo destacou a com o PS, "liderada pelo deputado na Assembleia da República e antigo vereador da autarquia, Carlos Brás, em representação do presidente da câmara".

"O próprio PS pensou em algumas soluções, que poderão passar por o município comparticipar uma parte dos custos até ao final da concessão [2031], pois da parte das Águas de Gondomar não há vontade para fazer cedências", disse.

Ao elevado preço da água, junta-se também o problema do saneamento, enfatizou o porta-voz, entendendo como razão para haver um "consenso em torno da criação de uma comissão independente, para fazer a supervisão da atividade da empresa".

"Vamos também pedir uma reunião à Águas de Gondomar, temos é dúvidas de que eles queiram encontrar connosco uma solução para o problema", disse o responsável, situação que leva o movimento a avançar na quinta-feira com o pedido da "comissão independente de supervisão da gestão da empresa concessionada".

Num quadro comparativo sobre a taxa de disponibilidade a que a Lusa teve acesso verifica-se que em Gondomar é de 6,1733 euros, bem acima dos valores praticados no Porto (3,4684), Vila Nova de Gaia (4,000), Maia (não tem) e Matosinhos (5,8393).

Quanto ao custo por escalão, em Gondomar, entre os 0 a 5 metros cúbicos, que corresponde ao primeiro escalão, é cobrado 0,7123 euros, enquanto no segundo escalão, entre os 5 a 15m3, sobe para 1,6146 euros e para os 3,0865 euros no terceiro escalão, entre 15 a 25m3. Fazendo a comparação, os restantes cinco concelhos, estes cobram entre menos 0,1923 e menos 1,2436 euros.

+ notícias: Norte

GNR registou 800 incêndios até domingo nos quatro concelhos mais afetados do distrito Porto

O comando territorial do Porto da GNR informou hoje ter registado, desde 01 de janeiro, cerca de 800 ocorrências de incêndio nos concelhos de Paredes, Felgueiras, Valongo e Santo Tirso, os mais afetados no distrito do Porto.

Homem de 40 anos detido em flagrante por violência doméstica em Melgaço

 

Um homem de 40 anos foi detido pela GNR, esta terça-feira, em flagrante por violência doméstica, no concelho de Melgaço, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.