Info

Provedor de irmandade de Braga diz que nunca exigiu "um centavo" a ninguém

Provedor de irmandade de Braga diz que nunca exigiu "um centavo" a ninguém
| Norte
Porto Canal com Lusa

O provedor da Irmandade de Santa Cruz, em Braga, afirmou hoje que, desde que exerce o cargo, nunca pediu ou mandou pedir “um centavo que fosse” para o acolhimento de idosos no lar da instituição.

Em declarações à Lusa, Luís Rufo adiantou que a irmandade, que está acusada pelo Ministério Público de corrupção passiva por situações anteriores a 2017, recebeu “alguns, poucos, donativos”, mas sempre oferecidos “de livre e espontânea vontade” por parte dos utentes ou familiares.

“Sou provedor desde 2014 e nunca pedi, nem mandei pedir, um centavo que fosse em troca de uma vaga”, sublinhou.

Luís Rufo reagia, assim, à acusação da filha de uma utente, que na quinta-feira referiu que, em fevereiro de 2018, a instituição lhe exigiu um "donativo" de 10 mil euros apara acolher a mãe.

“Não lhe pedimos nada, ela é que se disponibilizou a pagar. Não lhe pedimos a ela nem pedimos a ninguém, eu sou contra isso, acabei com isso quando cá cheguei”, reiterou.

Confirmou que a filha da idosa “ofereceu” 10 mil euros à irmandade e que lhe foi passado o respetivo recibo, em que consta aquela verba como “donativo”.

“Um donativo dá quem quer”, acrescentou o provedor, adiantando que, desde que está à frente da instituição, outros utentes, poucos, também o fizeram.

Citou mesmo o caso de um que, há cerca de dois anos, ofereceu 100 mil euros à irmandade.

Há dias, o Ministério Público (MP) acusou um ex-provedor daquela irmandade de “solicitar ou exigir” o pagamento de quantias monetárias para a admissão de utentes para o lar de idosos, mas indicava que aquele procedimento terminara em 2017, após a entrada do novo provedor.

Segundo a acusação, a que a Lusa teve acesso, o MP imputa ao ex-provedor e à Irmandade um crime de corrupção passiva no setor privado.

A acusação diz que a partir de 2017, e já com o atual provedor, a diretora técnica deixou de sugerir a entrega de quaisquer quantias, porque o novo responsável “deixou também de emitir ordens nesse sentido”.

O MP diz que, com a “exigência” de donativos, a irmandade atuou “à revelia de todos os imperativos legais”.

Aponta o caso de 12 utentes, que terão pago entre 7.500 e 40 mil euros para garantirem um lugar no lar.

Com essa “atividade criminosa”, acrescenta a acusação, a irmandade conseguiu uma vantagem patrimonial de 297.500 euros, valor que o Ministério Público quer que o ex-provedor e a irmandade sejam condenados a pagar ao Estado.

+ notícias: Norte

Autarca garante "compromisso" de que linhas de metro na Maia "avançarão"

A Câmara da Maia disse hoje ter o "compromisso" da Área Metropolitana do Porto (AMP) de que as linhas de metro em projeto para aquele concelho "avançarão", frisando que o contrário "só poderia acontecer por maldade ou cegueira".

Região Norte regista mais de metade das novas infeções de Covid-19

Mais de metade dos novos casos de covid-19 contabilizados hoje situam-se na região Norte ao registar quase duas mil das 3.270 infeções das últimas 24 horas, indica o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira com dever de permanência no domicílio

Os concelhos de Felgueiras, Lousada e Paços de Ferreira, onde os casos de covid-19 têm estado a aumentar nos últimos dias, vão ter em vigor o dever de permanência no domicílio a partir das 00:00 de sexta-feira, decretou hoje o Governo.

Atualizado 22-10-2020 19:14

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.