Info

Milhares de malianos exigem demissão de Presidente do país

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bamako, 05 jun 2020 (Lusa) -- Dezenas de milhares de malianos manifestaram-se hoje na capital, Bamako, para pedir a demissão do Presidente do país, Ibrahim Boubacar Keita, criticando o que consideram ser a insegurança e injustiça social no território.

De acordo com a agência noticiosa Efe, os manifestantes agruparam-se junto à Praça da República, em resposta a um apelo lançado pelo líder religioso Mahmoud Dicko e entoaram cânticos para o afastamento do chefe de Estado, a demissão do Governo e a dissolução da Assembleia Nacional.

Os manifestantes acusam Presidente, Governo e parlamento de má governação.

Entre os manifestantes encontrava-se o xeque Dicko, antigo presidente do Alto Conselho Islâmico Maliano, criado em 2002 como uma plataforma independente com o objetivo de unir e representar as várias tendências da região muçulmana -- partilhada por cerca de 90% dos cidadãos do país.

O Mali é palco regular de manifestações e motins desde o mês passado, após o Tribunal Constitucional ter garantido a vitória, nas eleições legislativas, à coligação do partido do chefe de Estado.

O descontentamento surgiu depois do anúncio dos resultados definitivos das eleições legislativas realizadas em março e abril, que deram ao partido no poder mais 10 lugares que o previsto nos resultados provisórios.

A tensão política no Mali foi também estimulada pelo sequestro de Soumaila Cissé, um líder da oposição, poucos dias antes das eleições, sendo que este continua desaparecido.

A instabilidade que afeta o Mali começou com um golpe de Estado em 2012, quando vários grupos rebeldes e organizações fundamentalistas tomaram o poder do norte do país durante 10 meses.

Os fundamentalistas foram expulsos em 2013 devido a uma intervenção militar internacional liderada pela França, mas extensas áreas do país, sobretudo no norte e no centro, escapam ao controlo estatal e são, na prática, geridas por grupos rebeldes armados.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 4.000 pessoas foram mortas em ataques terroristas em 2019 no Mali, Burkina Faso e Níger, tendo o número de pessoas deslocadas aumentado 10 vezes, ficando próximo de um milhão.

Além de uma força conjunta do G5 Sahel - composta por militares de Mali, Burkina Faso, Níger, Chade e Mauritânia -, a região conta também com a operação Barkhane, uma missão das Forças Armadas francesas no Mali, e da Minusma, a missão da ONU no Mali.

JYO // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: China aprova vacina para uso exclusivo dos militares

A China aprovou esta segunda-feira uma vacina contra o novo coronavírus, para uso interno no Exército de Libertação Popular, as forças armadas do país, após resultados positivos nos ensaios clínicos.

Covid-19: Governo são-tomense define saúde como prioridade no orçamento retificativo para 2020

São Tomé, 06 jul 2020 (Lusa) - O Governo são-tomense entregou hoje ao parlamento o projeto de orçamento retificativo de 2020, avaliado em 130 milhões de euros, definindo como "prioridade máxima" o setor da saúde, devido ao combate à covid-19.

Covid-19: Brasil começa a testar vacina chinesa da Sinovac este mês

São Paulo, 06 jul 2020 (Lusa) -- Uma potencial vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, batizada de CoronaVac, vai começar a ser testada no Brasil em 20 de julho, anunciou hoje o governador do estado de São Paulo, João Doria.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.