Info

Estado vai pagar entre 100 a 351 euros a trabalhadores que perderam rendimentos

Estado vai pagar entre 100 a 351 euros a trabalhadores que perderam rendimentos
| Política
Porto Canal com Lusa

O primeiro-ministro anunciou hoje que em julho será pago um complemento de estabilização, entre 100 e 350 euros, para compensar quem teve perda salarial relativamente a um mês de "lay-off" e tenha vencimento até 1.270 euros.

Esta medida de caráter social foi transmitida por António Costa em conferência de imprensa, no final do Conselho de Ministros, que aprovou o Programa de Estabilização Económico e Social (PEES).

Além da prorrogação automática do subsídio social de desemprego até ao final do ano, o líder do executivo referiu que em junho será pago um complemento de estabilização".

"Esse complemento de estabilização é uma medida de pagamento único, que visa compensar a perda salarial relativamente a um mês de lay-off, com um mínimo de 100 euros e um máximo de 350 euros, para todos aqueles que têm salários até dois salários mínimos nacionais. Em segundo lugar, haverá um pagamento extraordinário do abono de família para as famílias do primeiro, segundo e terceiro escalões, que será pago em setembro - mês em que, como sabemos, é sempre particularmente exigente para as famílias em matéria de despesas escolares", apontou.

Neste capítulo, o primeiro-ministro adiantou ainda que os titulares do rendimento social de inserção e do abono de família terão "as suas prestações atualizadas automaticamente em função do rendimento do mês em que a solicitam, e não em função dos meses anteriores".

Uma medida que se justifica, de acordo com o primeiro-ministro, pelo facto de, nos últimos meses, se terem registado "alterações abruptas e profundas dos rendimentos de muitas famílias".

+ notícias: Política

Covid-19: Jerónimo de Sousa avisa Governo para não repetir "dose" de gestão privada na TAP

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, insistiu hoje na necessidade de nacionalização da companhia aérea TAP e avisou o Governo para não repetir a "dose" de permitir que a empresa continue a ser gerida por privados.

Inspeção ao aterro de Valongo "levanta algumas preocupações" - ministro

O ministro do Ambiente afirmou que o relatório provisório da inspeção ao aterro de Valongo “levanta algumas preocupações”, mas remeteu novidades para segunda ou terça-feira.

Costa afasta "Bloco Central" e recusa aceitar incapacidade da esquerda para visão comum

O secretário-geral socialista garantiu hoje que vai manter o rumo político e não haverá "Bloco Central" PS/PSD, frisando que recusa aceitar que a esquerda seja incapaz de se entender sobre uma visão comum para o país.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.