Info

Covid-19: Banco de Portugal estima queda do PIB entre 3,7% e 5,7% em 2020

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 26 mar 2020 (Lusa) - O Banco de Portugal (BdP) estima que o Produto Interno Bruto português caia 3,7% num cenário base e 5,7% num cenário adverso, em 2020, devido à pandemia de covid-19, de acordo com o Boletim Económico hoje divulgado.

"No cenário base, estima-se uma redução de 3,7% do PIB real em 2020. Assume-se que o impacto económico da pandemia é relativamente limitado, o que decorre, em parte, da hipótese de que as medidas adotadas pelas autoridades económicas são bem-sucedidas na contenção dos danos sobre a economia", pode ler-se no comunicado do BdP.

Já no cenário adverso, "assume-se que o impacto económico da pandemia é mais significativo devido à paralisação mais prolongada da atividade económica em vários países, conduzindo a maior destruição de capital e perda de emprego. Este cenário considera também uma maior incerteza e níveis de turbulência mais significativos nos mercados financeiros", sendo a recessão de 5,7% do PIB.

No cenário base, o BdP vê a economia a crescer 0,7% em 2021 e 3,1% em 2022, mas no adverso a subida no crescimento é projetada nos 1,4% em 2021 e 3,4% em 2022.

JE // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Líder parlamente do Bloco de Esquerda afirma que o Estado deve salvar a TAP e passar a mandar como proprietário

Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do Bloco de Esquerda, afirma que o Estado deve salvar a TAP porque é uma empresa estratégica para o país e se assim o fizer passa a mandar como proprietário.

Covid-19: Quase 32 mil empresas portuguesas já recorreram ao 'lay-off'

Quase 32 mil empresas portuguesas já se candidataram ao 'lay-off' simplificado, mecanismo de salvaguarda dos postos de trabalho posto em prática para apoiar as empresas durante a pandemia de covid-19, segundo um balanço feito hoje pelo Governo.

Covid-19: Marcelo vai reunir com a banca e espera ver setor "a retribuir aos portugueses"

O Presidente da República afirmou hoje que vai reunir-se com representantes da banca e que espera ver o setor a "entrar na corrida contrarrelógio" contra a covid-19 e a "retribuir aos portugueses" os apoios que teve.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.