Info

Iémen: Partes em conflito apoiam cessar-fogo face ao novo coronavírus

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Sanaa, 26 mar 2020 (Lusa) -- As partes em conflito no Iémen dizem apoiar o apelo da ONU para um cessar-fogo geral face à propagação mundial do novo coronavírus, quando o país já enfrenta a mais grave crise humanitária do mundo.

A guerra no Iémen opõe há mais de cinco anos os rebeldes Huthis apoiados pelo Irão às forças leais ao governo reconhecido pela comunidade internacional, que conta com a ajuda de uma coligação militar internacional dirigida pela Arábia Saudita.

"A situação política, económica e sanitária no Iémen exige que a violência seja suspensa e que nos juntemos aos esforços internacionais e humanitários para preservar a vida dos cidadãos", declarou o governo iemenita num comunicado, saudando o apelo da ONU.

Na segunda-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lançou um apelo "a um cessar-fogo imediato em todo o mundo" para salvar os civis à "fúria" do novo coronavírus.

"A coligação militar (conduzida por Riade) apoia a decisão do governo iemenita de aceitar (este) apelo", disse o porta-voz da coligação, Turki al-Maliki, citado pela agência oficial saudita SPA.

Os Huthis, por seu turno, declararam-se "abertos a todos os esforços e iniciativas".

Num comunicado, um responsável político do movimento, Mehdi al-Machat, apelou "à calma completa e real, para criar confiança e uma atmosfera propícia ao sucesso de uma solução política abrangente".

Contrariamente à Síria ou à Líbia, o Iémen não registou ainda qualquer caso de infeção do novo coronavírus, mas as organizações não governamentais temem uma catástrofe se a pandemia atingir o país, onde mais de três milhões de pessoas vivem amontoadas em campos de deslocados.

A guerra causou dezenas de milhares de mortos, sobretudo civis, segundo diversas ONG e mais de dois terços da população precisa de ajuda humanitária, calcula a ONU.

Ameaçado pela fome, o país é ainda regularmente atingido por epidemias, de dengue ou de cólera, por exemplo, devido a um sistema de saúde muito degradado e à escassez de água potável.

 

PAL // FPA

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: China volta a não registar casos locais de contágio

A China anunciou hoje que voltou a não registar novas infeções locais pelo novo coronavírus, ao mesmo tempo que detetou 39 novos casos oriundos do exterior.

Covid-19: Espanha vai prolongar "estado de emergência" por mais 15 dias

O Governo espanhol decidiu pedir autorização ao parlamento para prorrogar por mais 15 dias o "estado de emergência" em vigor até ao próximo sábado, comunicou o primeiro-ministro, numa videoconferência hoje com os presidentes das comunidades autónomas do país.

Covid-19: China permanece sem novas infeções locais, mas casos importados aumentam

A China anunciou hoje que não registou, pelo terceiro dia consecutivo, novas infeções locais elo novo coronavírus, embora o número de casos importados continue a aumentar, com 41 registos nas últimas 24 horas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.