Info

Covid-19: FMI defende "resposta internacional coordenada"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Washington, 09 mar 2020 (Lusa) - Os governos devem dar "uma resposta internacional coordenada" para atenuar o impacto económico da epidemia de coronavírus, defendeu hoje a economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), sugerindo a adoção de medidas orçamentais, monetárias e financeiras "importantes".

Para ajudar as famílias e as empresas afetadas, Gita Gopinath preconizou ajudas diretas e medidas de alívio fiscal.

Num texto divulgado pelo FMI, Gopinath sublinhou a importância de apoiar a economia durante a epidemia para manter "intacta a rede de relações económicas e financeiras entre trabalhadores e empresas, entre credores e devedores, entre fornecedores e utilizadores para permitir uma recuperação quando a epidemia desaparecer".

A economista refere que o desafio é "impedir que uma crise temporária cause danos irreparáveis a pessoas e empresas devido a perdas de empregos e falências".

Os custos humanos do coronavírus aumentaram "a um ritmo alarmante", notou, acrescentando que o impacto económico é "já visível" nos países mais afetados.

Apontando o exemplo da China, Gopinath observou que se a baixa da produção é comparável à que foi registada no início da crise financeira mundial, em 2008, a diminuição no setor dos serviços "parece desta vez mais significativa".

Gita Gopinath assinalou também que a economia tem-se ressentido dos esforços para conter a propagação da doença através de períodos de quarentena.

Do lado da procura, a perda de rendimentos, o medo do contágio e a intensificação da incerteza vai levar a uma diminuição dos gastos das famílias.

"Pode haver despedimento de trabalhadores dado que as empresas não podem pagar os salários. Os efeitos podem ser particularmente graves em determinados setores, como o turismo e a hotelaria, como se tem visto no caso de Itália", exemplificou.

"Os decisores devem adotar medidas importantes de ordem orçamental, monetária e financeira para ajudar as famílias e as empresas atingidas", defendeu.

Desde que a epidemia de Covid-19 começou, em dezembro na China, foram registados 110.564 casos de infeção em cerca de 100 países e territórios e já morreram mais de 3.800 pessoas.

Nos últimos dias, a Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 366 mortos e mais de 7.300 contaminados pelo novo coronavírus.

EO // JNM

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Pfizer atrasa entrega de vacinas na Europa para melhorar produção

O laboratório norte-americano Pfizer advertiu hoje para uma quebra "a partir da próxima semana" nas entregas das vacinas anti-covid na Europa, com vista a melhorar a sua capacidade de produção, anunciaram hoje as autoridades norueguesas.

Reino Unido suspende ligações aéreas de Portugal para travar estirpe brasileira

O Governo britânico anunciou hoje que vai suspender ligações aéreas de Portugal e Cabo Verde para Inglaterra para tentar impedir a entrada da estirpe brasileira do SARS-CoV-2, e proibiu também chegadas do Brasil e de outros países sul-americanos.

Agência europeia teme que nova variante de Covid-19 se torne incontrolável

O Centro Europeu para Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC) teme que a nova variante do SARS-CoV-2 que apareceu no Reino Unido, até 70% mais contagiosa, seja difícil de controlar, apelando à adoção de "medidas apertadas" na Europa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Cuida de ti - três mitos do...

N'Agenda

"Eu toco porque há coisas que...