Info

Espinho acusa Conselho Metropolitano do Porto de discriminação em estudo sobre metro

Espinho acusa Conselho Metropolitano do Porto de discriminação em estudo sobre metro
| Norte
Porto Canal

O presidente da Câmara Municipal de Espinho disse hoje estar instalado um clima de "mal-estar e desconfiança" no Conselho Metropolitano do Porto, devido à "discriminação" de certos municípios e decisões tomadas "por baixo da mesa".

As declarações de Joaquim Pinto Moreira à Lusa surgem em reação ao convite que recebeu para participar na sexta-feira, em Gondomar, na assinatura de um protocolo visando o estudo da expansão das redes de metro ligeiro e metrobus do território metropolitano, que abrange 17 municípios da região Norte.

"Espinho e outros municípios ficaram excluídos do protocolo, portanto eu recuso-me a participar na cerimónia. Não estou disponível para o papel de figurante e não concordo com este diretório de três ou quatro autarquias que decidem o que lhes apetece, por baixo da mesa, em decisões concertadas, numa lógica político-partidária, apregoando, na teoria, os valores da coesão e solidariedade territorial, mas, na prática, desvalorizando os outros concelhos que integram a AMP", afirma Pinto Moreira.

O autarca de Espinho atribui ao favorecimento de algumas autarquias em detrimento da defesa do coletivo o "profundo mal-estar que está instalado no Conselho Metropolitano do Porto e o clima de desconfiança que aí se vive atualmente".

Segundo Pinto Moreira, o protocolo a assinar na sexta-feira envolve os municípios de Maia, Matosinhos, Porto, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia, "que já têm metro", e ainda os da Trofa e Gondomar, "que têm projetos de expansão". O projeto deixa de fora, contudo, o concelho de Espinho, para o qual a Infraestruturas de Portugal já anunciou a criação de um interface entre a Linha Férrea do Vale do Vouga e a Linha do Norte, o que "pressupõe um serviço de metrobus entre a freguesia de Silvalde e a estação de Espinho no centro da cidade".

O autarca defende, por isso, que a discriminação praticada pelo Conselho Metropolitano do Porto é "particularmente gritante no caso de Espinho" e denuncia também "pouca preocupação com a real mobilidade e sustentabilidade ambiental da AMP".

Embora reconhecendo que a expansão do metro de superfície não se poderá verificar ao mesmo ritmo em todas as autarquias, Pinto Moreira realça: "Inadmissível é esquecerem-se os territórios que, não tendo metro, podem, em alternativa, ter metrobus".

Contactado pela Lusa, o Conselho Metropolitano do Porto ainda não comentou o assunto.

A Área Metropolitana do Porto e o Governo vão avançar com os estudos de viabilidade económica em sete linhas do metro do Grande Porto, cuja expansão será decidida até ao final do ano.

O protocolo para consolidação da expansão da rede de metro no Grande Porto e metro bus vai ser assinado na sexta-feira pelo Ministério do Ambiente e Ação Climática, a Metro do Porto, a AMP e pelos municípios diretamente envolvidos: Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa do Varzim, Trofa, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia.

Em causa estão cerca de 860 milhões de euros do Plano Nacional de Investimento (PNI) 2030, cujo futuro, desafiava em janeiro o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, devia ser decidido pelos municípios.

Destes 860 milhões, cerca de 620 milhões de euros destinam-se à consolidação da rede do Metro do Porto e 240 milhões de euros para o desenvolvimento de sistemas de transportes coletivos, verbas que deverão ser executadas entre 2021 e 2030.

+ notícias: Norte

Hospital de Vila Nova de Gaia com mais 24 camas devido ao aumento de casos de Covid-19

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) anunciou hoje que uma enfermaria de 24 camas reconvertida para doentes covid, mas que se encontrava em 'stand-by', entrou hoje em funcionamento devido ao aumento de casos.

Cidade do Porto com alguma afluência nas ruas no regresso ao confinamento

Cidade do Porto com alguma afluência nas ruas no regresso ao confinamento

ATL e Centros de Explicação fecham e deixam crianças sozinhas nos recreios

ATL e Centros de Explicação fecham e deixam crianças sozinhas nos recreios

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Cuida de ti - três mitos do...

N'Agenda

"Eu toco porque há coisas que...