Info

CDU quer retirar confiança à APDL se se confirmar adjudicação do molhe de Leixões

CDU quer retirar confiança à APDL se se confirmar adjudicação do molhe de Leixões
| Política
Porto Canal com Lusa

A CDU vai pedir à assembleia municipal de Matosinhos para retirar a confiança à Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) caso se confirme a adjudicação do prolongamento do quebra-mar do Porto de Leixões.

"Confirmando-se formalmente a adjudicação sem estarem respondidas todas as questões levantadas pelos órgãos municipais há mais de seis meses deve ser retirada a confiança à APDL e marcar uma reunião extraordinária da Assembleia Municipal de Matosinhos para debater o problema e as formas de resistência ao dispor do município para travar o desenvolvimento do processo", lê-se na moção "A APDL não está a cumprir com Matosinhos" que o partido vai apresentar na assembleia municipal de segunda-feira à noite e a que a Lusa teve hoje acesso.

A 23 de janeiro, a APDL disse à Lusa que o concurso para prolongamento do quebra-mar de Leixões recebeu duas propostas e que a adjudicação da empreitava estava prevista para fevereiro.

A 27 de janeiro, aquela administração portuária garantiu que, até ao início da obra de prolongamento do quebra-mar de Leixões, "serão dadas respostas ou tomadas medidas relativamente a todas as questões que, eventualmente, venham a ser colocadas em sede dos diversos documentos submetidos a avaliação das entidades chamadas a pronunciarem-se".

Solicitando à autarquia, liderada pela socialista Luísa Salgueiro, que confirme formalmente a adjudicação da obra, os comunistas condenam o "comportamento desrespeitoso" da APDL e da tutela governativa na condução deste processo "sistematicamente de costas" para o município e para a população.

A CDU considera que a APDL e a tutela fazem avançar as obras de ampliação do porto nas "sombras e silêncios desconsiderando" os órgãos executivos e deliberativos municipais e todos os espaços de diálogo criados para convergir posições e defender os interesses dos cidadãos.

Na quarta-feira, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) defendeu que os potenciais efeitos do prolongamento do molhe do Porto de Leixões são "pouco significativos e passíveis de minimização" em Matosinhos e Porto, mas sem referir impactes mais a Sul.

+ notícias: Política

Descentralização: Dossiers da Saúde, Educação e Ação Social ficam adiados para 2022

O Governo garante que o processo de Descentralização não está suspenso. A ministra Alexandra Leitão diz apenas que nas áreas da Saúde, Educação e Ação Social na reforma é adiada para o primeiro trimestre de 2022.

PCP quer lançar a Regionalização já ou adiar até pelo menos 2025

O líder parlamentar do PCP defende que o debate agendado para hoje no parlamento é uma oportunidade para lançar a regionalização até 2021, sob o risco de ser adiada “por muitos anos”, até pelo menos 2025.

Governo deve adiar processo de Descentralização para 2022

O Governo deve adiar para 2022 a Descentralização nas áreas da Educação, Saúde e Ação Social por considerar que há diplomas que precisam de acertos, tal como já tinham pedido os autarcas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.