Info

Presidente da Câmara da Trofa pede saída do Governo do ministro "alucinado" do Ambiente

| Política
Porto Canal com Lusa

O presidente da Câmara da Trofa pediu hoje a "saída" do Governo do ministro "alucinado" do Ambiente, acusando-o de alinhar a extensão do metro do Porto com a sua pretensão a candidatar-se à liderança da câmara daquela cidade.

Atualizado 24-01-2020 12:07

"João Matos Fernandes, não tendo competências nem conhecendo o país na realidade e estando só a olhar para lóbis, devia era sair do ministério do Ambiente que está a tutelar esta área", afirmou Sérgio Humberto à Lusa, defendendo a passagem da tutela dos transportes para o ministério das Infraestruturas, de Pedro Nuno Santos.

O ministro do Ambiente e Ação Climática afirmou no dia 14, em audição parlamentar, comprometer-se a dar indicação, no prazo de uma semana, para um estudo prévio para encontrar uma solução para o fim da linha de comboio da Trofa, o que até à data não se verificou.

Questionado por escrito pela Lusa na segunda-feira, e verbalmente na terça-feira quando compareceu no Porto para participar no anúncio da compra de novas composições para a Metro do Porto, em nenhum dos momentos o ministro respondeu às perguntas.

Sérgio Humberto, presidente da Câmara da Trofa, reagiu ao silêncio do ministro afirmando: "o ministro João Matos Fernandes, para utilizar um termo simpático, é um alienado e um alucinado no Governo".

"E digo isto, primeiro, porque ele não vive na realidade. Segundo, porque está preocupado em fazer extensões [do metro] na Área Metropolitana do Porto, onde o PS é poder, ou no município do Porto, onde tem intenção de se candidatar à câmara municipal. Terceiro, porque ele não dignifica o cargo que exerce", acrescentou o autarca da coligação PSD-CDS, que lidera o município da Trofa.

A Lusa tentou obter um comentário do ministro do Ambiente, que optou por não responder.

Hoje, relembrando ter sido há uns anos "aprovada por todos os partidos na Assembleia da República a vinda do metro até à Trofa", Sérgio Humberto enfatizou que, "10 dias depois, este ministro, alucinado e alienado da realidade, teve a lata e o descaramento de dizer: 'metro até à Trofa, nunca'".

O autarca mencionou depois a extensão da linha para Gondomar, para Vila d'Este e a linha da Póvoa de Varzim como exemplos que "fazem sentido", para recordar que "na Trofa foi retirado um transporte público, que era o comboio, com o objetivo de instalação do metro, assinado pelo Governo e com fundos comunitários", compromisso que acusou o governante de, ao "não o respeitar, não honrar a política".

Em face disto, pediu a "saída de Matos Fernandes do Governo", ao mesmo tempo que defendeu a passagem da tutela dos transportes para o ministério das Infraestruturas [e Habitação]".

"O ministro Pedro Nuno Santos tem outra sensibilidade, é um ministro presente, que conhece Portugal, que sabe dialogar e que não vê só a capital. Como disse anteriormente, os políticos não são todos iguais", apontou o autarca.

A 14 de julho de 2017, 15 anos depois de ter sido retirado o comboio de via estreita, a Câmara Municipal da Trofa submeteu uma ação contra o Estado Português e contra a Metro do Porto, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Penafiel, reclamando o não cumprimento da expansão da linha do metro até à Trofa, que estava consagrada deste no projeto inicial.

Das quatro linhas originárias da primeira fase, projetadas em 1996 no Sistema de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto) e construídas pela Metro do Porto, só a linha Campanhã/Maia (ISMAI)/Trofa não foi construída em toda a sua extensão.

Desde fevereiro de 2002 que o serviço ferroviário na linha da CP da Trofa está encerrado, encerramento justificado, à data, com o argumento de tal permitir a construção da linha do metro, sobre o ramal existente, nomeadamente a ligação da Estação da Trindade (no Porto) à Trofa.

+ notícias: Política

Alexandra Leitão reconhece que os "autarcas tinham alguma razão" de queixa sobre os moldes da descentralização

Alexandra Leitão, Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, reconhece que os autarcas "tinham alguma razão" quando diziam que “existiam algumas dificuldades” sobre o atual model de descentralização. Por isso, o Governo prorrogou em um ano o prazo para impor a transferência de competências na Saúde, Educação e Ação Social.

"Manobras de diversão". Assinatura do protocolo da expansão do metro do Porto 'marcada' pela 'guerra aberta' entre autarcas

Ficou marcada pela polémica a assinatura do protocolo entre o Governo e a Área Metropolitana do Porto para a expansão da rede do metro. Tal como o Porto Canal tinha avançado em primeira mão, são vários os autarcas que se queixam de não terem sido ouvidos no processo.

Secretário de Estado do Desporto garante que em breve serão tornadas públicas as condenações pela Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto

O Secretário de Estado do Desporto, João Paulo Rebelo, garante que em breve serão tornadas públicas as condenações já feitas pela Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto. A garantia de João Paulo Rebelo surge depois do Porto Canal ter divulgado que o regime jurídico já prevê a divulgação das decisões de condenação.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.