Info

Vistos 'gold': Investimento chinês recua 19% em 2019 para 219ME

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 16 jan 2020 (Lusa) - O investimento chinês captado por via dos vistos 'gold' recuou 19% no ano passado, face a 2018, para 219,7 milhões de euros, de acordo com dados pedidos pela Lusa ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em 2019, foram concedidas 394 Autorizações de Residência para Atividade de Investimento (ARI) a cidadãos da China, o que totalizou 219,7 milhões de euros.

Tal representa um decréscimo de 19% face aos 271,6 milhões de euros de investimento oriundo de Pequim registados em 2018, o que correspondeu à atribuição de 485 vistos 'gold'.

A China lidera o grupo das cinco principais nacionalidades que mais investem em Portugal utilizando aquele instrumento de captação de investimento.

Já o investimento oriundo do Brasil registou um aumento de 6,3% no ano passado, face a 2018, para 158,1 milhões de euros (210 vistos 'dourados').

Há dois anos, tinham sido concedidos 180 vistos 'gold' a cidadãos de origem brasileira, no montante de 148,6 milhões de euros.

Por sua vez, o investimento turco através deste instrumento caiu mais de metade (54%) para 44,9 milhões de euros (85 vistos atribuídos).

Em 2018, o montante ascendeu a 98,1 milhões de euros, tendo sido concedidos vistos a 188 cidadãos turcos.

No ano passado, os Estados Unidos (65 vistos e investimento de 43,5 milhões de euros) e a Rússia (53 ARI e 35 milhões de euros) substituíram a África do Sul e o Vietname no pódio das cinco nacionalidades que mais investiram em Portugal através dos vistos.

Em 2018, África do Sul, com 57 ARI, foi responsável pela captação de 31 milhões de euros, enquanto o Vietname, com 55 vistos 'dourados', totalizou 28,2 milhões de euros em investimento.

No ano passado, o investimento total dos vistos 'gold' caiu 11,4% para 742 milhões de euros.

ALU // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Covid-19: Setores têxtil, vestuário e calçado "preocupados" com prolongamento da crise

Os setores têxtil, vestuário e calçado estão "preocupados" com o eventual impacto de um prolongamento da crise do coronavírus, admitindo que poderá levar a quebras no fornecimento de matérias-primas e de encomendas provenientes da Ásia.

UE/Orçamento: Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

O Conselho Europeu extraordinário em Bruxelas consagrado ao orçamento plurianual da União para 2021-2027 terminou sem acordo, apenas cerca de 20 minutos após os líderes se terem sentado novamente à mesa para discutir a nova proposta, revelaram fontes europeias.

Luanda Leaks: Efacec garante "todas as condições" para pagar salários e a fornecedores

O Conselho de Administração da Efacec Power Solutions garantiu hoje que tem "uma gestão independente e reúne todas as condições para honrar os compromissos acordados" com todos os colaboradores e fornecedores, "não estando colocada a possibilidade" de incumprimento.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.