Info

PSD: Marco António Costa declara apoio a Luís Montenegro na segunda volta

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 jan 2020 (Lusa) - O antigo vice-presidente do PSD Marco António Costa declarou hoje que votará em Luís Montenegro na segunda volta das diretas para escolher o próximo líder, depois de estar ao lado de Miguel Pinto Luz na primeira eleição.

Numa declaração escrita enviada à Lusa, o ex-deputado que presidiu à Comissão de Defesa na anterior legislatura considera que, na segunda volta, todos os militantes devem escolher um líder que garanta que o PSD "não se transforme numa muleta no sistema partidário, mas deverá voltar a ser um esteio da democracia".

"Assim, e porque nos anos difíceis do resgate financeiro tive, enquanto vice-presidente executivo do PSD, o privilégio de trabalhar lado a lado com o Dr. Luis Montenegro, líder parlamentar, tornando possível conhecer de forma mais aprofundada o seu espírito democrático, a sua competência política, a sua determinação em defender os interesses de Portugal acima de qualquer outro interesse, a sua coragem combativa em respeito pelos seus adversários, não posso deixar de nesta segunda volta de lhe prestar o meu apoio político e o meu voto", justifica.

Marco António Costa manifestou a convicção de que com Montenegro como presidente do PSD "o dr. António Costa e o PS passarão a respeitar" o partido e a "enfrentar uma oposição política determinada, substantiva e que sirva a democracia portuguesa e Portugal".

O antigo secretário de Estado diz ter apoiado convictamente na primeira volta Miguel Pinto Luz, considerando que o vice-presidente da Câmara de Cascais obteve "um resultado extraordinário".

"Confirma-o como uma personalidade incontornável do nosso partido. Estou certo que agora e no futuro será indispensável ao nosso PSD", afirmou.

Deputado por três legislaturas, Marco António Costa chegou a ser o primeiro vice-presidente e porta-voz do PSD durante a liderança de Pedro Passos Coelho.

Desempenhou ainda funções governativas como secretário de Estado Adjunto do Ministro da Segurança Social, Família e Criança, no XVI Governo Constitucional liderado por Pedro Santana Lopes, e secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social do XIX Governo Constitucional, encabeçado por Pedro Passos Coelho.

Na segunda-feira, foram vários os apoiantes de Pinto Luz que declararam que votarão em Luís Montenegro, como os antigos secretários-gerais do PSD Miguel Relvas e Matos Rosa, os líderes das distritais de Lisboa e de Setúbal, Ângelo Pereira e Bruno Vitorino, e o deputado e presidente da distrital da JSD de Lisboa, Alexandre Poço.

Em sentido contrário, o ex-ministro Mira Amaral, o cientista Carvalho Rodrigues e os deputados Ana Miguel Santos e Nuno Carvalho (que foram cabeças de lista nas últimas legislativas em Aveiro e Setúbal, respetivamente) passaram do apoio a Pinto Luz para a declaração de voto no atual presidente e recandidato, Rui Rio.

Segundo os resultados ainda provisórios disponíveis no site do PSD (mas que já atualizam os anunciados no sábado pelo Conselho de Jurisdição Nacional), Rio foi o candidato mais votado na primeira volta com 49,02% dos votos expressos, seguido de Luís Montenegro, que obteve 41,42% do total. O vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais Miguel Pinto Luz ficou em terceiro, com 9,55%, e fora da segunda volta.

SMA // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Política

Agência Portuguesa do Ambiente nega processo de avaliação de impacto ambiental para a exploração de lítio

Matos Fernandes desvaloriza as críticas do PAN sobre a exploração de lítio em Montalegre. O Ministro do Ambiente considera que o Estudo de Impacte Ambiental é ainda muito primário.

CDS/Congresso: Novo líder afirma "papel insubstituível" para "combater as esquerdas"

O novo líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, agradeceu hoje aos militantes por terem ajudado o partido a fazer "prova de vida", que tem "um papel insubstituível" em Portugal para "combater as esquerdas".

"Há violência policial racista e infiltração da extrema direita nas forças de segurança."

Separando as duas coisas, Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, diz que "é obvio que têm existido problemas de violência racista na policia e que há uma infiltração de forças organizadas de extrema direita, ligadas à criminalidade, nas forças de segurança".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.