Info

Mário Centeno afirma que Portugal deixará "de viver à custa dos impostos das gerações futuras"

Mário Centeno afirma que Portugal deixará "de viver à custa dos impostos das gerações futuras"
| Economia
Porto Canal com lusa.pt

O ministro das Finanças, Mário Centeno, considerou hoje no parlamento que Portugal deixará "de viver à custa dos impostos que serão pagos pelas gerações futuras", com o excedente de 0,2% do PIB no saldo orçamental previsto pelo Governo.

"Já este ano chegaremos a um saldo orçamental positivo, o primeiro da nossa história democrática. Portugal deixará finalmente de viver à custa dos impostos que serão pagos pelas gerações futuras. Este é um orçamento para os mais jovens", disse Mário Centeno na sua intervenção no debate na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2020.

O ministro considera que o excedente de 0,2% em contabilidade nacional previsto para 2020 "é sinónimo da credibilidade do caminho traçado" pelo Governo, uma vez que o seu executivo apresentou "os défices mais baixos da democracia e o crescimento económico mais alto dos últimos 20 anos".

Em sentido inverso, Mário Centeno questionou a credibilidade das "críticas de quem sempre apostou contra estes resultados e que agora diz que aposta no crescimento".

"A política orçamental não é uma casa de apostas, é a identificação de prioridades, a preparação de tomada de decisões", afirmou o ministro.

+ notícias: Economia

Fectrans aponta inconformidades na aplicação do contrato coletivo e aciona formas de luta

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) apontou hoje inconformidades na aplicação do contrato coletivo do setor e do acordo de cargas e descargas, pedindo a intervenção da tutela e tendo já em vista formas de luta.

Portugal vendeu cerca de 296 milhões de litros de vinho em 2019

As exportações de vinho do Porto cresceram e invertem assim os 20 anos de descidas. Os aumentos refletem-se em todo o setor vitivinícola, que em 2019, atingiu um novo máximo histórico.

Covid-19: Setores têxtil, vestuário e calçado "preocupados" com prolongamento da crise

Os setores têxtil, vestuário e calçado estão "preocupados" com o eventual impacto de um prolongamento da crise do coronavírus, admitindo que poderá levar a quebras no fornecimento de matérias-primas e de encomendas provenientes da Ásia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.