Info

Violência doméstica: 4 anos de prisão para farmacêutico do Porto por agredir a mulher

Violência doméstica: 4 anos de prisão para farmacêutico do Porto por agredir a mulher
| Norte
Porto Canal com Lusa

O tribunal criminal de São João Novo, no Porto, condenou hoje a quatro anos de prisão efetiva um farmacêutico de 54 anos por agredir a companheira a soco e a pontapé e por resistir à detenção pela PSP.

A pena corresponde ao cúmulo jurídico pelos dois tipos de crimes dados como provados: violência doméstica agravada, três anos e meio de prisão, e resistência e coação sobre funcionário, dois anos - neste caso visando dois agentes da polícia.

O homem vai ter ainda de indemnizar a vítima, que se constituiu assistente no processo, em cerca de 16.750 euros, por danos morais e materiais, e de pagar a um centro de saúde os custos dos curativos à ofendida, no valor de 93 euros.

As penas até cinco anos podem ser suspensas, mas o tribunal entendeu que, neste caso, se justifica prisão efetiva, sublinhando a personalidade "impulsiva" do arguido e sua "agressividade fora do comum".

Dirigindo-se ao farmacêutico, a presidente do tribunal criticou-o por, ao assumir parte dos crimes imputados na fase de produção de prova do julgamento, o fazer de forma a "diminuir a gravidade" das suas condutas.

"O tribunal não pode desconsiderar a violência que dirigiu a esta senhora", observou a juíza presidente do coletivo, dizendo-lhe que se tinha problemas na sua relação com a vítima, poderia e deveria optar pelo divórcio.

Para o tribunal ficaram provados quase todos os factos da acusação, mas o coletivo de juízes não conseguiu associar algumas sequelas da vítima, descritas no processo, aos atos violentos do arguido.

A condenação do arguido foi pedida, nas alegações finais, em 18 de dezembro, pelo procurador Lopes Zenha, recordando que no episódio mais violento, em 06 de fevereiro de 2019, a mulher foi "barbaramente agredida, alvo de um massacre".

Acrescentou que "se não fosse uma funcionária [da farmácia] a defendê-la "muito provavelmente o tribunal estaria a julgar um processo de homicídio".

Dias antes, em audiência de produção de prova, o farmacêutico acusado de violentas agressões à companheira em plena farmácia, em fevereiro de 2018, assumiu que desferiu alguns socos e pontapés na mulher, de 45 anos, mas negou ter-lhe desferido uma cabeçada e rejeitou ter protagonizado outras agressões violentas relatadas pelas autoridades.

O incidente da farmácia foi testemunhado por funcionárias e alguns clientes.

No seu depoimento, o arguido disse ter praticado "o pior ato" da sua vida.

"Estava fora de mim", alegou.

Após as agressões no interior da farmácia, na zona do Amial, no Porto, o homem fugiu e resistiu à detenção pela PSP.

Justificou-se desta atitude alegando que foi interpelado por pessoas não fardadas e que não se terão identificado como polícias, nem apresentado qualquer mandado de detenção.

Argumentou que limitou a defender-se.

+ notícias: Norte

Homem morre ao cair de telhado em Vila Nova de Gaia

Um homem morreu na sequência de uma queda de um telhado, neste sábado, no largo do Bôdo, em Serzedo, Vila Nova de Gaia, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.