Info

PSI20 cai 0,62% e acompanha a tendência das principais bolsas europeias

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 30 dez 2019 (Lusa) -- O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI20, encerrou hoje com uma descida de 0,62% para 5.236,59 pontos, em linha com as bolsas europeias.

Das 18 cotadas que integram o PSI20, 13 caíram, quatro subiram e a Sonae Capital ficou inalterada em 0,76 euros.

A liderar as perdas ficou a NOS, que desvalorizou-se 1,63% para 4,82 euros.

Nas principais descidas figuram ainda os CTT, que desceram 1,44% para 3,15 euros, a Mota-Engil, que regrediu 1,32% para 1,88 euros, a EDP, que perdeu 1,18% para 3,86 euros e a Jerónimo Martins, que caiu 1,03% para 14,89 euros.

Com perdas inferiores a 1% ficaram a Sonae SGPS (0,91 euros), a EDP Renováveis (10,44 euros), a Galp (15,15 euros), a REN (2,72 euros), a Ramada Investimentos (5,86 euros), a Semapa (13,78 euros), a Corticeira Amorim (11,40 euros) e a Navigator (3,60 euros).

No sentido inverso, a liderar os ganhos ficou a Ibersol, que avançou 1,25% para 8,10 euros.

Nas principais subidas figura ainda Pharol, que subiu 1% para 0,10 euros.

Com ganhos abaixo de 1% ficaram o BCP (0,20 euros) e a Altri (5,70 euros).

No resto da Europa, Paris e Madrid desceram 0,91%, Londres 0,76% e Frankfurt 0,66%.

PE // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Fectrans aponta inconformidades na aplicação do contrato coletivo e aciona formas de luta

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) apontou hoje inconformidades na aplicação do contrato coletivo do setor e do acordo de cargas e descargas, pedindo a intervenção da tutela e tendo já em vista formas de luta.

Portugal vendeu cerca de 296 milhões de litros de vinho em 2019

As exportações de vinho do Porto cresceram e invertem assim os 20 anos de descidas. Os aumentos refletem-se em todo o setor vitivinícola, que em 2019, atingiu um novo máximo histórico.

Covid-19: Setores têxtil, vestuário e calçado "preocupados" com prolongamento da crise

Os setores têxtil, vestuário e calçado estão "preocupados" com o eventual impacto de um prolongamento da crise do coronavírus, admitindo que poderá levar a quebras no fornecimento de matérias-primas e de encomendas provenientes da Ásia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.