Info

OE2020: Valorização salarial da função pública custa 715 milhões no próximo ano

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 dez 2019 (Lusa) -- A valorização salarial dos trabalhadores da administração pública terá um custo de 715 milhões em 2020, mais 49 milhões de euros face ao ano anterior, avançou hoje o Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública.

Os números constam de um comunicado divulgado pelo Ministério liderado por Alexandra Leitão após as reuniões realizadas esta tarde entre o Governo e os sindicatos da função pública sobre questões orçamentais, nomeadamente aumentos salariais para o próximo ano.

De acordo com o documento, a valorização salarial custará 715 milhões de euros no próximo ano, incluindo progressões, promoções, aumentos salariais, revisão de carreiras e "outros direitos".

Este valor significará um aumento médio por trabalhador de 3,2% em 2020, sublinha o Ministério.

Em 2019, os gastos serão de 666 milhões de euros e, no ano anterior, atingiram 465 milhões, representando 3,1% e 2,2% de aumento médio por trabalhador respetivamente.

O Governo apresentou hoje aos sindicatos da administração pública uma proposta de aumentos salariais para 2020 que tem por base "a taxa de inflação observada até novembro de 2019 (cerca de 0,3%, para todos os trabalhadores)".

A proposta foi criticada pela Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Frente Comum de Sindicatos e Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), que exigiam aumentos superiores a 3% no próximo ano.

DF // ACL

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Fectrans aponta inconformidades na aplicação do contrato coletivo e aciona formas de luta

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) apontou hoje inconformidades na aplicação do contrato coletivo do setor e do acordo de cargas e descargas, pedindo a intervenção da tutela e tendo já em vista formas de luta.

Portugal vendeu cerca de 296 milhões de litros de vinho em 2019

As exportações de vinho do Porto cresceram e invertem assim os 20 anos de descidas. Os aumentos refletem-se em todo o setor vitivinícola, que em 2019, atingiu um novo máximo histórico.

Covid-19: Setores têxtil, vestuário e calçado "preocupados" com prolongamento da crise

Os setores têxtil, vestuário e calçado estão "preocupados" com o eventual impacto de um prolongamento da crise do coronavírus, admitindo que poderá levar a quebras no fornecimento de matérias-primas e de encomendas provenientes da Ásia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.