Info

Alunos na escola Rodrigues de Freitas contra falta de funcionários e exames nacionais

| Norte
Porto Canal com Lusa

Um grupo de alunos manifestou-se hoje frente à Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas, no Porto, para sensibilizar a opinião pública e o Governo para a falta de funcionários, a sobrecarga horária e pelo fim dos exames nacionais.

“Estou a protestar porque temos poucos funcionários nesta escola, porque não queremos ter exames e porque temos pouco tempo livre. Às vezes só temos intervalos de cinco minutos e aulas de 50 minutos”, explicou à Lusa, Maria Pedro, aluna do 6.º ano de escolaridade.

Ao seu lado, o colega Rodrigo Ramos considerou também que “é injusto estar 50 minutos dentro da sala e cinco ou 10, no máximo, de intervalo. Devíamos ter intervalos, por exemplo, de 30 minutos, outro de 20 e outro de 15”.

“Também estou aqui por causa dos exames, a minha irmã estava no 9.º ano e fez exames com a matéria do 9.º, do 8.º e do 7.º ano. Devia ser só do 9.º, é muita coisa para a nossa cabeça”, acrescentou o aluno.

Esta ação realizada na Rodrigues de Freitas integra-se no apelo à semana de luta dos estudantes do Ensino Básico e Secundário, apelo esse lançado pela Associação de Estudantes da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, em Almada.

Com base neste apelo, “dezenas de escolas” sairão à rua durante esta semana, disse à Lusa Alexandra Pinto, estudante do ensino superior que “ajudou” na organização do protesto na Rodrigues de Freitas.

Questionada pela Lusa, a aluna da Faculdade de Letras do Porto explicou que a sua presença se justificava com o facto de “a luta dos estudantes” ser “conjunta” e “abranger todos os graus de ensino”.

“Aqui lutamos por mais funcionários, pelo fim dos exames e por mais tempo livre, na Universidade a luta é contra as propinas e também contra o excesso de carga horária e a falta de funcionários”, acrescentou.

+ notícias: Norte

Homem morre ao cair de telhado em Vila Nova de Gaia

Um homem morreu na sequência de uma queda de um telhado, neste sábado, no largo do Bôdo, em Serzedo, Vila Nova de Gaia, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.