Info

Fisco admite desproporção na operação 'stop' de Valongo mas rejeita processos disciplinares

Fisco admite desproporção na operação 'stop' de Valongo mas rejeita processos disciplinares
| País
Porto Canal com Lusa

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) admitiu hoje que foram utilizados "meios desproporcionados" na operação 'stop' para a cobrança de dívidas em Alfena, Valongo, mas não vai instaurar processos disciplinares aos funcionários que executaram a ação.

"Observou-se nesta operação uma mobilização de meios desproporcionados face à realização dos fins de cobrança coerciva que foram visados, os quais poderiam, em alguns casos, ser igualmente alcançados através dos meios que evitariam a exposição pública dos trabalhadores da AT e dos executados", pode ler-se nas conclusões do inquérito realizado pela AT na sequência da operação 'stop', hoje publicadas no 'site' oficial da entidade.

A autoridade acrescentou ainda que "as faltas observadas não justificam a instauração de processos disciplinares" aos funcionários envolvidos, e que o processo serviu para refletir sobre os procedimentos adotados e "intensificar a coordenação geral e a supervisão de procedimentos executivos de massa que possam vir a ter maior exposição pública".

Na manhã do dia 28 de maio, a AT, em colaboração com a GNR, intercetou condutores em Alfena, concelho de Valongo, no âmbito de uma ação que visava a cobrança de dívidas às Finanças.

Segundo fonte da AT no local, a iniciativa, denominada "Ação sobre Rodas", passava por "intercetar condutores com dívidas às Finanças, convidá-los a pagar e dar-lhes essa oportunidade de pagarem".

"Se não tiverem condições de pagar no momento, estamos em condições de penhorar as viaturas", disse então a fonte.

No mesmo dia, a ação foi cancelada por ordem do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, e no dia seguinte o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que a ação foi "desproporcionada".

Mário Centeno admitiu que a ação de fiscalização "não é claramente uma medida que aproxima o cidadão da AT". "Não foi uma decisão feliz", lamentou.

Em 30 de maio, o diretor de Finanças do Porto colocou o seu lugar à disposição na sequência da ação, tendo o pedido de demissão sido "prontamente aceite" pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

No inquérito entretanto executado, e cujos resultados foram hoje conhecidos, "foi recolhida e examinada a documentação relativa à conceção, planeamento, decisão e execução da operação", bem como ouvidos todos os trabalhadores envolvidos e ainda os contribuintes interpelados na ação que aceitaram responder.

A AT afirma, no comunicado de hoje, que "os contribuintes que prestaram declarações no âmbito do inquérito não manifestaram reparo à abordagem e ao atendimento prestado pelos trabalhadores" da autoridade.

Segundo a AT, foram considerados cerca de três milhões de processos de execução fiscal do distrito do Porto e, no caso de a matrícula corresponder a um devedor, a GNR mandava parar os veículos.

"Quaisquer informações relativas ao devedor eram apenas comunicadas a este e não ao condutor do veículo quando não fosse o devedor", assegura, no entanto, a AT.

Na ação, foram monitorizadas 4.576 matrículas de veículos, tendo sido detetadas 93 matrículas em circulação nas condições definidas, associadas a 88 devedores, de acordo com a AT.

"Foram efetuadas três penhoras de veículos, duas apreensões de veículos penhorados que se encontravam em circulação e apresentados no local 17 pedidos de pagamento em prestações e recebidos 40 pagamentos", de acordo com o fisco.

"Dos veículos imobilizados, quatro pertenciam a pessoa diversa dos devedores previamente identificados", por já não serem proprietários, 17 já tinham pago e dois pertenciam a contribuintes insolventes.

A AT garante ainda que "não se observou ilegalidade suscetível de pôr em causa" a validade da operação, "uma vez que, desde que enquadrados em processo de execução fiscal, tais atos são legais e válidos, ainda que sejam realizados externa e pessoalmente junto dos devedores e, se necessário, com o apoio das forças de segurança".

A autoridade admite também que houve "um desfasamento temporal entre a data da informação constante da listagem utilizada como suporte da ação e o momento da sua realização", o que levou a interpelações "que não deveriam ocorrer".

+ notícias: País

Ana Gomes diz que a Justiça portuguesa não valoriza os denunciantes nem sequer os protege como testemunhas válidas

A ex-eurodeputada Ana Gomes voltou a destacar no Dia Internacional Contra a Corrupção que a Justiça portuguesa não valoriza os denunciantes nem sequer os protege como testemunhas válidas. Ana Gomes realça mais uma vez o caso Rui Pinto. O Governo está a preparar alterações no combate à corrupção e o próprio Presidente da República salienta a importância do combate a este tipo de crime.

Despiste de carrinha de equipa de futebol na Guarda provoca um ferido grave

O despiste em Alvendre, concelho da Guarda, de uma carrinha que transportava parte da equipa de futebol sénior de Aguiar da Beira provocou oito feridos, um dos quais grave, afirmou fonte do Comando Territorial da GNR.

Ministro da Educação considera que as Pousadas de Juventude têm sido resposta à falta de residências de estudantes

O ministro da Educação considera que as Pousadas de Juventude têm sido uma resposta constante à falta de residências estudantis em algumas zonas do país e que são um "instrumento de política pública determinante" para a mobilidade juvenil.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.