Info

Eleição direta das Áreas Metropolitanas aguarda para não entravar Regionalização - António Costa

| Política
Porto Canal com Lusa

Vila Real, 30 nov 2019 (Lusa) -- O primeiro-ministro recusou hoje avançar já com a eleição direta para as Áreas Metropolitanas, para evitar "entraves a quaisquer desenvolvimentos futuros no processo de regionalização", revelando que a eleição das Comissões de Coordenação por um colégio de autarcas avança já em 2020.

"O Governo está disponível para não avançar já com a eleição direta par as Áreas Metropolitanas, para evitar entraves a quaisquer desenvolvimentos futuros no processo de regionalização", afirmou António Costa, no encerramento do XXIV da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), em Vila Real.

O primeiro ministro notou que o Governo tem "ponderado a apreensão de muitos autarcas, das próprias Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto e dos seus presidentes, de que as eleições diretas [por sufrágio universal] das Áreas Metropolitanas possam ser entendidas como entrave à regionalização".

Costa revelou que a intenção do Governo é avançar no primeiro semestre de 2020 com a eleição, por um colégio de autarcas, para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR).

"Este não é o passo que todos anseiam, mas é o que desde já deve ser dado para criar no país a confiança necessária para os passos seguintes", observou.

ACG // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Política

Ministra anuncia reforço de 8.400 profissionais de saúde em 2020 e 2021

A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou hoje um reforço de até 8.400 profissionais de saúde, em 2020 e 2021, distribuídos por todos os grupos profissionais.

António Costa espera "estar cá" para a regionalização, na próxima legislatura

O primeiro-ministro, António Costa, remeteu hoje para a próxima legislatura um eventual referendo para uma regionalização e disse esperar ainda "estar cá" nessa altura, em resposta a perguntas da líder parlamentar do CDS.

Livre não sanciona Joacine, mas condena declarações da deputada

O partido Livre decidiu não aplicar qualquer sanção disciplinar à sua deputada única devido à polémica abstenção num voto no parlamento sobre uma investida israelita na Faixa de Gaza, mas lamentou as declarações públicas de Joacine Moreira.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Atitudo - Artes Marciais &...

Nota Alta

"A cidade do Porto está com um...