Info

Associação interpôs ação em tribunal para anular concessão de lítio em Montalegre

| Norte
Porto Canal com Lusa

A Associação Montalegre com Vida interpôs uma ação administrativa com vista à anulação do contrato de concessão para a exploração de lítio assinado entre a Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) e a Lusorecursos Portugal Lithium.

Armando Pinto, porta-voz da associação, afirmou hoje à agência Lusa que "a ação administrativa comum foi submetida na quinta-feira, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Mirandela, contra o [então] Ministério do Ambiente e Transição Energética, que em março tutelava a DGEG, e a empresa Lusorecursos Portugal Lithium, S.A".

O responsável referiu que a associação "vem, desta forma, arguir a anulabilidade do contrato de concessão 'Romano', celebrado em 28 de março de 2019 entre a DGEG e a Lusorecursos Portugal Lithium, S.A".

"Consideramos que o contrato é ilegal, não foi cumprido aquilo que está na lei. A empresa que indicaram, até ao prazo legal, não é aquela que efetivamente assinou o contrato", argumentou Armando Pinto.

O contrato de concessão de exploração de lítio no concelho de Montalegre, assinado entre o Governo e a Lusorecursos Portugal Lithium, tem estado envolto em polémica e uma das razões apontadas é o facto da empresa ter sido constituída três dias antes da assinatura do contrato.

"Poderiam constituir novas empresas até ao final do período de prospeção, é o que diz a lei, mas não após o período de prospeção. A empresa que foi indicada inicialmente não é aquela que efetivamente assinou o contrato de concessão", acrescentou Armando Pinto.

Contactado pela agência Lusa, o Ministério do Ambiente e da Ação Climática disse que "nada tem a comentar sobre a ação administrativa".

Também a empresa Lusorecursos Portugal Lithium adiantou não se pronunciar sobre a ação, da qual referiu não ter sido notificada.

A polémica que envolve o contrato de concessão de exploração de lítio no concelho de Montalegre levou vários grupos parlamentares a pedir uma audição urgente do secretário de Estado Adjunto e da Energia.

A audição parlamentar de João Galamba e do ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, está agendada para esta quarta-feira, na Comissão do Ambiente, Energia e Ordenamento do Território.

No mesmo dia, serão ouvidos, numa audição conjunta, representantes da Associação Montalegre Com Vida e Plataforma Mina.

A Associação Montalegre Com Vida foi criada com vista "à defesa do Barroso contra a exploração mineira".

A população, nomeadamente da freguesia de Morgade, concelho de Montalegre, distrito de Vila Real, para onde está prevista a exploração de lítio, opõe-se ao projeto mineiro, elencando preocupações ao nível da dimensão da mina e consequências ambientais, na saúde e na agricultura.

A Lusorecursos Portugal Lithium já anunciou um plano de negócios de 500 milhões de euros, a criação de cerca de 500 postos de trabalho e a implementação de uma unidade industrial, onde será feita a separação de vários minerais que vão sair da exploração e processado o hidróxido de lítio.

A empresa esclareceu ainda que a exploração da mina vai ser mista, primeiro a céu aberto, passando depois para túnel.

+ notícias: Norte

Diretor Nacional da Polícia Judiciária garante morte de Luís Giovani não foi um crime racial

O Diretor Nacional da Polícia Judiciária garantiu, em conferência de imprensa na manhã desta sexta-feira, que a morte do jovem cabo-verdiano Luís Giovani não se tratou de um crime racial, mas de um homicídio violento que teve por base motivos fúteis.

Câmara de Lisboa compra imóveis ao Estado abaixo do valor de mercado e à autarquia do Porto exigem valor três vezes acima 

Há dois anos, a Câmara Municipal do Porto tentou comprar imóvel devoluto, o antigo lar da mendicidade nas Fontaínhas, mas o Estado pediu verba três vezes acima do valor de mercado. Contrariamente ao que aconteceu esta semana em que a Câmara de Lisboa adquiriu onze imóveis a preço abaixo do valor de mercado para arrendamento acessível, lesando o Estado em 3,5 milhões de euros, de acordo com o Tribunal de Contas.

Cinco suspeitos detios pela morte de jovem em Bragança

Foram detidos cinco homens, com idades entre os 22 e os 35 anos, suspeitos da morte do jovem estudante Luís Giovani Rodrigues, em Bragança, de acordo com comunicado da Polícia Judiciária enviado à redação do Porto Canal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Ensino Musical Escolar: "Quando...

D'Mais

Na Cozinha - Pizza vegan